Já leu o manual de funcionamento do seu cérebro?

Pierre Pessoa- presidente do grupo Smart Companny

Quando compramos um aparelho eletrônico ou mesmo um eletrodoméstico que não estamos familiarizados, geralmente, buscamos ler o manual de instruções para saber como utilizá-lo da melhor maneira.

Nosso corpo humano é uma “máquina orgânica” perfeitamente criada que precisa de cuidados para funcionar de maneira harmoniosa. Cada órgão serve para uma determinada função e a interligação deles nos proporciona à existência.

Já parou para pensar como nosso cérebro funciona e como poderíamos potencializá-lo para obter um melhor resultado na retenção do aprendizado?

Tendo por base o PISA: O Programa Internacional de Avaliação de Alunos (em inglês: Programme for International Student Assessment – PISA) que é uma rede mundial de avaliação de desempenho escolar, realizado pela primeira vez em 2000 e repetido a cada três anos. É coordenado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com vista a melhorar as políticas e resultados educacionais em leitura, matemática e ciências com alunos com idade de 15 anos. Nesse exame internacional, infelizmente, o Brasil sempre ocupa as últimas posições.

Será que somos menos inteligentes que o resto do mundo? Obviamente que não! Mas por qual motivo estamos indo tão mal?

Leia mais aqui

Share

Papo de Mulher

VAMOS QUEBRAR O TABU E FALAR DE SEXO?

Hoje o nosso papo deve chamar atenção de quem gosta de ler algum tema nessa coluna. Mas o nosso papo hoje é sobre sexo para nós mulheres. Um tema tão polêmico e ainda tão difícil de conversar, que resolvi quebrar os paradigmas e abrir mesmo, falando desse assunto que para nós mulheres tenham um sentido muito diferente do que todas as pessoas pensam.
Há muitos séculos que a mulher é reprimida e que determinados assuntos não poderiam ser expressados . Um deles era a intimidade da mulher, exclusivamente sobre SEXO. Falar sobre isso era um TABU nas famílias, nos grupos sociais. Sem contar que não interessa a opinião de uma mulher sobre esse assunto, ela era apenas útil para satisfazer o homem.
Ainda bem que hoje com a evolução da humanidade, nós mulheres, podemos sim falar de sexo com a liberdade de direito podendo deixar claro o que gostamos, como gostamos e o que nos faz feliz e realizada. Apesar de todo preconceito ainda em pleno século XXI, mas há espaços para falarmos abertamente desse assunto e também ajudar outras mulheres a se libertar e dizer o que gosta e o que não gosta no sexo com seu parceiro ou parceira. Nós mulheres somos sensitivas. Tudo nosso é prazeroso no toque, no que sentimos e como sentimos. Não somos máquinas de dar prazer e muito menos de fazer filhos. Como qualquer ser vivo, sentimos necessidades de prazer e satisfação. É preciso demonstrar que o nosso prazer sexual tem a ver muito mais da forma que somos tratadas e consideradas do que simplesmente abrir as pernas para dar prazer sem nem saber se foi prazeroso ou não. Mulheres, falem mais o que querem, como querem. Só assim seu parceiro ou parceira será consciente daquilo que você gosta. Não sejamos mulheres reprimidas com receio de falar e ser mau interpretada ou de expressar suas fantasias tranquilamente com medo de quem estar com você lhe rejeitar. Cada vez mais, nós mulheres estamos ganhando vez e voz para isso. Para nos valorizar e querer do nosso lado quem nos trate bem. Sexo é uma necessidade natural do ser humano que busca prazer nas relações. No entanto, para nós mulheres,tem um sentido de desejo que se fortalece com a necessidade de amar e ser amada, de desejar e ser desejada. Quer um conselho? Não se permita ser tratada menos do que você merece.Faça muito sexo que lhe dar prazer.

Por Cristiane Soares

Share

O “Desgoverno”de Paulo Câmara

Segundo o Art 6º da Constituição são direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção á maternidade e á infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição. Mas o que vêm acontecendo com a População Pernambucana é totalmente o inverso.
Em relação á segurança foram constatadas 263 mortes violentas nos primeiros 30 dias de 2019. “Pernambuco, a chacina a céu aberto” poderia ser o nome de um filme, mas não, é apenas a realidade do nosso estado. Além disso, foram registrados 95 mil roubos em Pernambuco no ano de 2018!
Na educação, as Escolas do Canadá entraram em cena para cobrar a dívida de US$ 2 Milhões de Programa de Intercâmbio do Governo do Estado. Afirmaram que a 2G turismo, responsável pelo programa, estava em débito. E o estudante Pernambucano no Canadá estava correndo o risco de ficar desabrigado.
Recentemente surgiram a questão de manchas de óleo na praia, mas o Governo do Estado não foi visto em ações de limpeza das praias. Tem dinheiro para comprar camarão mas não tem dinheiro para mandar equipamento para os voluntários.
O famoso 13º do Bolsa Família programa do “Governo do Estado” ( que na verdade é um programa do Governo Federal) é o único sustento que muitas pessoas têm para sobreviver. Não são poucos no Estado. Um milhão de pessoas sobrevivem com menos de R$ 145 por mês. Algo em torno de 11% dos pernambucanos. Tudo em volta dessas pessoas é miséria: a falta de saneamento; a baixa escolaridade; o desemprego; a desesperança.
A situação de extrema pobreza é alarmante. Pelos critérios do Banco Mundial, são considerados extremamente pobres aqueles que vivem com até US$ 1,90 por dia, o equivalente a R$ 145 por mês (por pessoa). 1 milhão de pernambucanos vive em condição de extrema pobreza, onde 75,5% das pessoas extremamente pobres no Estado são negras, 38% têm restrição á educação, 34,8% têm restrição ás condições de moradia, 69,3% têm restrição ao saneamento básico, 52,3% tem restrição a internet.
Compare a realidade com a constituição brasileira; veja se seu governante está cumprindo com o que ele prometeu e se está fazendo um bom governo. Infelizmente não acontece nenhum benefício para pessoas do nosso Estado, mas apenas malefícios. Estejamos atentos a isso, pois 2020 é ano de eleição.

Grupo Direita Bezerros

Share

Salsicha para não ficar com fome?

Durante toda minha vida escolar estudei apenas 3 anos em escola particular. Não descrevo isso por lamentação, mas até por alívio mesmo. Sendo de família “sacrificada”, como meu pai costuma dizer, precisei suportar algumas adversidades para aprender, principalmente, a arte da sobrevivência. Sou o segundo dos seis filhos do meu pai, apenas um ano mais novo que minha irmã mais velha. Estando nessa posição precisei passar por duras provas de resiliência e dor, mas acredite, hoje agradeço bastante essas dificuldades. Não tenho dúvida que minha formação de carácter e personalidade foram bastante moldados pelas provas que passei. Como o ditado diz: se aprende muito pela dor.

Vou relatar um desses casos que foi trágico e cômico ao mesmo tempo. Estava estudando a antiga 5ª série, hoje 6° ano. Mesmo diante de muitas dificuldades financeira, pois meu pai ainda estava construindo nossa casa, fui matriculado no colégio mais “badalado” de Bezerros, minha cidade. No ano anterior, quando estudante do 5º ano, numa escola do governo, minha professora incentivou bastante meu pai para ele me matricular em uma escola particular, pois ela dizia que eu era muito “inteligente” e estava me “perdendo” na escola que estudava. Triste fala da querida professora… Embora, fiquei muito feliz e agradecido pelas palavras dela – cheguei até a acreditar que era realmente inteligente-, meu desempenho escolar não foi nada bom para uma criança como fui descrito.

Precisei me adaptar a uma realidade bem diferente da que conheci, pois nunca havia estudado em uma escola particular desde a antiga alfabetização. Agora estava estudando com vários professores e com livros didáticos, quer dizer, estava pegando emprestado os livros, mesmo assim, uma mudança totalmente radical para uma criança de 11 anos. Não foi só na questão intelectual que precisei superar. Teve aquela parte que, infelizmente, ainda é comum nas escolas: o Bullying… Mas, isso vou deixar para outra oportunidade. Vou ficar na parte de sobrevivência por falta de ingestão de alimentos, em outras palavras: fome. Parece exagero, mas como dificilmente tomava café da manhã – decorrente dos problemas mentais da minha mãe -isso também ficará para outra oportunidade. O fato é que: quando o intervalo das aulas chegava, eu estava com uma fome infeliz.

Como meu pai pagava a mensalidade com muito sacrifício, não sobrava nenhum dinheiro para comprar algum lanche durante o intervalo. Alguém poderia dizer: por que não levava de casa? Respondo: levar o quê? A realidade era muito dura de encarar nessa época em casa, – pois a nossa fome não era por falta de alimento. Era por falta de alguém fazer, cuidar da gente e ter um pouco de organização… Mas sei que problemas mentais proporciona tudo isso. Então, o que fazer para conseguir comida?

Sempre fui muito curioso e observador. Mesmo acabrunhado observava tudo ao meu redor. Percebi que: um dos poucos amigos que tinha nessa escola, comprava quase todos os dias um delicioso cachorro-quente. Posso sentir aquele cheiro ainda hoje… O ritual era o seguinte: todos os dias na hora do intervalo, esse colega de sala entrava na fila da cantina e comprava seu magnífico cachorro-quente. Antes de começar a comer, ele cuidadosamente retirava a salsicha que vinha no meio do pão, e a jogava no lixo! Dá pra acreditar? Uma salsicha vermelhinha e super suculenta indo para a lata do lixo, e esse aqui que escreve morrendo de fome!? Depois que observei esse ritual quase que diário, criei coragem e fui até esse garoto. Fiz a seguinte proposta:

-Fulano (não revelarei o nome do amigo por questões evidentes), percebi que todos os dias você joga sua salsicha no lixo. Se eu enfrentar a fila do lanche para comprar seu cachorro-quente, você poderia me dá-la? (Acredito que minha habilidade de negociação nasceu aí.)

Ele não hesitou e concordou de imediato. Passando alguns dias, e já feliz em ter uma salsicha para comer, salvo os dias que ele comprava outra coisa, fiquei curioso em saber o porquê dele não comer aquela salsicha tão saborosa, perguntei:

-Você não gosta de salsicha, né? E ele responde:

  • Gosto muito!
  • Mas por que você joga ela fora todas as vezes? Indaguei sem entender…
  • Minha mãe disse que salsicha é cancerígena, e que se eu comer vou ter câncer no futuro…

Ainda estava mastigando o ultimo pedaço daquela salsicha quando ele falou isso. Engoli esse último pedaço numa mistura de pensamentos… e agora? O que vou fazer?

Passei alguns dias pensando se continuava comendo àquela salsicha, mesmo correndo o risco de ter câncer, ou, se suportaria a fome para não adoecer. O fato é que: durante esses dias de suplício, uma amiga gordinha tomou meu posto e passou a comprar o bendito cachorro-quente e ficou com a minha salsicha cancerígena… Para meu alívio, meu pai me tirou daquela escola um ano depois e finalmente voltei a comer a merenda que era servida na minha querida e amada escola do governo, quer dizer, quando tinha a merenda. Sabe qual era essa merenda? Macarrão com salsicha ou sopa de sardinha com salsicha.

Dedico esse texto a Pedro Rodrigo da Silva, meu primo e compadre.

Pierre Pessôa. Fundador da Deu Fome Delivery.

PS. Não utilizamos salsicha em nenhum dos nossos produtos.

Share

PAPO DE MULHER

AMOR QUE DÓI NÃO É AMOR
Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres. Esse papo é muito sério! É preciso falar muitas vezes sobre esse assunto.
Gente, a violência contra as mulheres está aumentando e é preciso falar sobre isso com toda sociedade. Uma violência que não só estar na agressão física, mas também em todas as formas de desrespeito com a mulher. Você já ouviu falar em violência patrimonial, psicológica, sexual e moral? Essas são algumas das formas de violentar uma mulher. Vamos pensar: Será que você MULHER, já ouviu alguns desses comentários machistas?
“Quem vai te querer? Quem quer uma mulher como você! Você é minha, eu mando em você! Você estar gorda e feia! Dê graças a Deus que tem alguém como eu do seu lado porque só eu te aguento! Você parece “puta”! A culpa é toda sua! Também você foi aperrear meu pai! Você não é capaz, você é só uma mulher! Qual é o seu problema, o que fez que ele te deixou? Ah… a culpa foi sua! Você não soube fazer o homem feliz! Mulher tem que ficar em casa cuidando dos filhos… “Tantas outras perguntam são esfregadas na cara de nós mulheres que muitas vezes acreditamos sermos a pior entre as mulheres. Mas acredite, isso não é verdade! . Nós mulheres podemos o que quisermos e não dependemos de ninguém para alcançar nossos sonhos que não seja nós mesmas. Nem por um momento acredite que você não é capaz. Não aceite nenhum tipo de violência. Fale, grite, denuncie , peca ajuda. A violência acaba com a mulher e a deixa sem forças. Quem te ama não te machuca. Amor que dói não é amor. Entenda isso! Não se permita mais essa situação acreditando que tem que ser assim e não há o que fazer. Mulheres vamos nos unir e parar de julgar tanto e procurar ajudar mais. Disque 180 e tome uma atitude. Precisamos mudar esse quadro e construir uma sociedade que olha as mulheres como elas são empoderadas. Diga NÃO A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER!

Cristiane Soares

Share

Qual é o sentido da vida?

Muitas vezes me peguei questionando o sentido da vida… quem nunca? Algumas reflexões que costumo fazer: haverá vida consciente após a morte? Lembraremos de quem fomos? Voltaremos a essa existência? Por que estamos aqui? De onde viemos e para onde vamos?

Muitas religiões abordam esses pontos. Algumas respondem essas questões mais detalhadamente, outras nem tanto e ainda, aquelas que simplificam dizendo: tudo é um mistério.
Deixarei meu ponto de vista religioso de lado, para trabalhar o que temos certeza e sabemos o que acontece aqui e agora: a vida!

Numa das minhas “sessões” de ansiedade e questionamentos existenciais percebi o quão egoísta e ingrato tenho sido no decorrer da minha vida. Sim, tenho sido extremamente egoísta por não perceber que o fato de existir já é o bastante. Se a gente encara a não existência depois da morte, e acha isso injusto, por que não ficamos gratos com a vida que ganhamos?

Biologicamente falando nosso surgimento foi quase impossível de acontecer. Ganhamos a “corrida” entre milhões de espermatozoides. Ao nascer entramos num mundo cheio de belezas e coisas para experimentar. Já percebeu como é maravilhoso poder caminhar? Espirar? E sentir diferentes texturas? Quantos cheiros diferentes e quantos sentimentos produzimos? Já viveu a experiência de estar totalmente desperto no momento que saboreia sua comida favorita?
Percebi que se eu tivesse apenas um dia para vivenciar e sentir todas essas coisas já seria o bastante para ser eternamente grato. Geralmente temos mais de um dia de existência aqui, não é? Vivamos cada dia grato pelo milagre de simplesmente existir. Ao perguntar à Monja Coen “qual é o sentido da vida”, ela simplesmente responde: VIVER!

Se no fim dessa existência nada mais existir encare assim: já tive esse presente impagável que recebemos totalmente de graça, se nada mais acontecer não tem problema, tive o privilégio de existir. Essa gratidão precisa acontecer, primeiro, por já receber tudo antecipadamente. Segundo, se a vida continuar acontecendo depois da morte, ótimo, um bônus que receberemos. Que maravilha não? Contudo, caso ela acabe junto da nossa morte, também não terá problema algum, pois será impossível ficar decepcionado. Que tal se a gente viver cada dia agradecendo cada instante que temos, ajudando o próximo a perceber essa dádiva maravilhosa que recebemos? Sejamos mais solidários, compassivos e tolerantes. Como Jesus disse: amemos mais. Quando a gente passa a viver e aproveitar cada segundo do presente, do agora que acontece, nesse exato momento, o depois será só uma continuação e o que importa de verdade é: VIVER.

Pierre Pessôa ( Smart Companny)

Share

COMO TUDO COMEÇOU

A História se iniciou em 30 de outubro de 2016, um grupo de jovens se reuniam semanalmente para debaterem sobre uma possível candidatura do então presidente Jair Messias Bolsonaro. Todos tinham em mente de levar um pouco dos seus ideais políticos e assim poder contribuir uns com os outros.
O grupo desde então era desconhecido pela sociedade, até o momento que a mídia divulgou a “primeira confrartenização”, onde diante das publicações nas redes sociais surgiram “críticas” e “apoios” que foram lançados nos comentários. Isso fez com que o grupo ganhasse notoriedade tanto por apoiadores como também críticos, ou seja, em termo político surgiu uma grande polarização.
Chegado o ano de 2017, foi um dos anos mais importantes para o grupo, pois ainda não tinhamos em mente se o então presidente Jair Messias Bolsonaro seria ou não candidato. Com isso o grupo parou para resolver e questionar sobre essa questão e possibilidade. Pois desde o nosso ínicio somos um grupo que apoia uma pessoa e não partido. Somos um grupo que foi feito para defender um único ideal ( o conservadorismo), isso não exclui pessoas que têm um ideal libertário, pois temos alguns em nosso grupo.
2018 ano de eleição, o ano “x” para o grupo. Jair Messias Bolsonaro candidato a presidente (um dos nossos objetivos cumprido), mas faltava ainda muito para chegar lá! Estavámos lutando contra um grande partido, lutando contra aqueles que afundaram o Brasil. A luta não seria fácil! E realmente não foi! Confiante que a vitória viria em 1º turno nos reunimos na praça da matriz, mas infelizmente a vitória não veio de imediato. Ainda teria luta pela frente, e foram mais duas semanas de grande luta. Chegado o dia 28, fomos todos para a sede do grupo. Com uma mentalidade dividida entre “confiança” e “desconfiança”. Mas o resultado foi dado, o homem que estávamos apoiando desde nossa fundação, venceu as eleiçoes. Esse dia foi uma grande festa, uma grande carreata pelas ruas da cidade de Bezerros. Mas nossa luta não acabou! Ela está apenas começando! Temos muito ainda a contribuir pelo nosso país e pela nossa querida cidade dos Bezerros.
No mesmo ano ainda tivemos outros eventos, como exemplo: “o outdoor em apoio ao então presidente Jair Messias Bolsonaro”, onde todos se juntaram e colocaram em mente a criação desse outdoor, grupos de fora que defende nossos ideais estiveram presente em nossa cidade para prestigiar esse evento. Tivemos também duas grandes carreatas em apoio ao presidente, fazendo com que a cidade de Bezerros parasse para prestigiar esse grande evento.
Estamos em 2019, e nossa luta pelo bem do nosso munícipio apenas começou, engajados tanto no quesito nacional como municipal, queremos que nossa cidade evolua com seus governantes. Não estamos sumidos ( como alguns dizem), estivemos presente em vários eventos referentes ao nosso munícipio. Um deles foi a semana do ciclismo, o qual através do vereador Eliel lançamos na Câmara de Vereadores sendo aprovado por unanimidade. Estamos lutando pelo bem da nossa cidade e nunca vamos parar de lutar! Somos o grupo Direita Bezerros!

Grupo Direita Bezerros

Share

CÂMARA DE BEZERROS EM EFERVESCÊNCIA NO ANO PRÉ ELEITORAL

Por Edgar Lino Ferreira

Em sessão com expectativa de debates, como vem ocorrendo ultimamente após a renúncia do prefeito Branquinho, nesta  terça o tempo foi quente, na fase da tribuna. O orador Junior de Carvalho, mostrando outra face, com som estridente, denunciava o mal funcionamento  da Casa Legislativa dizendo que sua autonomia como legislador estava sendo colocada em segundo plano referindo–se a LOA.  Lei Orçamentária Anual,  tramitando naquele legislativo. Afirmando que funcionários não o atendiam bem.  A seguir Gabeira, usando a tribuna passou a lhe responder com calma e palavras comedidas. Porem antes que completasse seus argumentos o seu antecessor,  sem pedir apartes,  passou a tumultuar com palavras acaloradas em sem nexo. Pedindo sua calma o presidente  em exercício Eliel, mesmo assim o vereador alvorava  não deixando a sessão prosseguir. Dado recado Gabeira reassume a presidência  e abre espaço  ao  Vereador Nivaldo que da mesma forma passa a criticar severamente a presidência com argumentações sem nexo e desnecessárias. E da mesma forma criticou a Midia – quer dizer a imprensa -, assacando lhe omissão e  tendências  indesejáveis .  Na sua fala repugnou oradores da oposição em sessões anteriores. A seguir usou a palavra o Vereador Toinho do Boi Gordo com suas peculiaridades agressivas atacando Nivaldo ao dizer que ele era situação porque sua mulher ocupava já há tempo a Secretaria Municipal. Dando entender que era cargo cala boca. Afirmou  que o vereador não deveria estar ali porque não teve votos necessários,  pois só chegou com arrumação de nomeação do titular do cargo na  secretaria municipal  local. Enquanto falava era indevidamente aparteado pelo contendor, sem lhe ser concedido apartes regimentais e embora repreendido pela presidência não cessava na empreitada. Sabendo de sobejo que aquela atitude era reprovável e  nunca fora aceita quando  presidente, e o pior por ser  advogado. E sempre sem apartes concedidos tumultuava os trabalhos como um aprendiz.  E ao meio do tempo quente. Logo após a presidência  encerrou a  sessão por não haver outra inscrição para a tribuna. Enquanto os nobres Edis se afastavam as agressões  prosseguiram. O Vereador Nivaldo redarguindo o Vereador Toinho consequentemente chegaram a se atracar, ao meio de deixa disso até a Guarda Patrimonial do Executivo, indevidamente invadiu o plenário e participou dos acertos e  desfeitos. Restou mal para o legislativo uma vez que os Nobres Edis abusaram do ambiente e partiram para agressões verbais e físicas ao meio de ações indevidas dos guardas municipais ali postos sem atribuições para o caso da segurança do legislativo.  

Share

Sustentabilidade e conhecimento para não “comer” o óleo no litoral nordestino

Acredito que não cabe mais a discussão se existe ou não aquecimento global e que estamos destruindo o meio ambiente, ou até, que o ser humano não causa nenhum impacto ambiental. Não precisa de muito para perceber que somos parte da vida natural do nosso planeta. Temos uma falsa impressão de superioridade e de não necessidade dos recursos naturais na sua essência. Somos de fato totalmente dependentes desses recursos que são finitos; mas por que não paramos de destruir nossas florestas, rios e mares?

Todo e qualquer bate-boca vai acabar nos pontos mais importantes na sociedade que vivemos: educação e conhecimento. Se tivermos consciência do que está acontecendo, associado a mudanças que cada um pode fazer, podemos mudar essa realidade de destruição. Haverá esperança para a humanidade?

Convoco a escola e os professores a priorizarem o tema ambiental e as práticas sustentáveis para que, nossos filhos e netos, tenham a chance de continuar a existir e quem sabe ter uma vida mais saudável e integrada com o planeta.
Existem formas saudáveis e totalmente sustentáveis para substituir a agroindústria de monocultura, que utiliza de agrotóxicos e transgênicos, altamente danosos à nossa saúde e causadores até do câncer. Uma delas e talvez a mais importante é a agrofloresta, que é um sistema que reúne as culturas de importância agronômica em consórcio com a floresta. Um sistema agroflorestal é um sistema de plantio de alimentos que é sustentável e totalmente orgânico, ou seja, não utiliza de produtos tóxicos que destrói o solo e polui a água. Sem falar que e ainda faz a recuperação de uma floresta, associado com a lucratividade também.

Entretanto, podemos começar com práticas mais simples e próximas de nós. Você sabia que é possível ter um canteiro de hortaliças totalmente orgânico e de graça na sua casa? Mesmo que não tenha espaço, você pode utilizar uma parede no seu quintal e plantar em garrafas PETs. Sabia que quase todas a árvores frutíferas podem ser cultivadas em vasos, com baixa manutenção e pouco consumo de água?

Conversando com pessoas próximas, e até pessoas que lidam com a agricultura, percebi que, até os jovens com acesso à internet desconhecem essas maneiras mais sustentáveis de produção e replicam práticas poluentes e pouco lucrativas. Dependemos totalmente da produção agrícola para sobreviver, mas por que não há incentivo de abertura de escolas agrícolas com práticas de culturas agroflorestais? Não estaria na agricultura a profissão do futuro tendo em vista que, dos 7 bilhões de pessoas no mundo, 1 bilhão passa fome!?

Não dá para “tapar o sol com a peneira” e fugir da nossa responsabilidade. Você e eu podemos fazer algumas coisas para mudar esse cenário: Plante árvores; no mínimo uma árvore na frente da sua casa e/ou no seu quintal. Cultive sua horta orgânica e suas frutíferas em vasos. Não desperdice água. Economize energia. Não compre produtos sem necessidade. Separe o lixo. Não jogue lixo nas ruas. Ande mais a pé. Reaproveite. Não compre animais silvestres. Essa mudança pode começar agora?

Pierre Pessôa
Fundador do Smart Fluent.

Share

HONESTIDADE NÃO É DIFERENCIAL: É OBRIGAÇÃO

Tenho muito receio de acusar alguém de desonestidade, porque é muito, muito sério e até mesmo criminoso, se eu não conseguir provar.

Já a incompetência é patente, escancarada e não requer muita análise, nem se quisessem conseguiriam escondê-la: basta olhar.

Em Bezerros-PE, temos excelentes profissionais com competência reconhecida em todas as áreas, inclusive na gestão pública. É a experiência que tem justificado estarem lá nos representando e servindo.

Ora, HONESTIDADE NÃO É DIFERENCIAL: É OBRIGAÇÃO. Partindo deste pressuposto, o que temos que cobrar na hora do voto é COMPETÊNCIA, porque a ausência dela pode ser tão criminosa quanto o flagelo da desonestidade. Quem é competente em relação ao seu trabalho não se importará jamais de explicar como e por que fez alguma coisa, principalmente quando o cargo público assim exige.

Assim sendo, e levando em consideração que preciso escolher por COMPETÊNCIA os meus representantes, sugiro uma audiência pública para discutir o orçamento proposto para o próximo ano em Bezerros-PE, com o evidente convite para participação daqueles que, obviamente, elaboraram o documento: os representantes das secretarias municipais.

Como técnicos, eles certamente saberão explicar cada ponto do Planejamento Estratégico sugerido – e até já cobrado – ao Legislativo, e debaterão diretamente com a população, pois qualquer gestão que se preze por ser transparente abre espaço para o povo falar e propor.

Já os senhores vereadores poderão, evidentemente, defender suas comunidades e seus projetos em espaço conveniente: a tribuna. Saberão, como exige o cargo, perguntar, analisar e fazer sugestões técnicas que respeitem as leis e atendam, obviamente, os interesses do povo, que eles representam diretamente.

Fica a sugestão para o senhor Presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Bezerros a convocação de audiência pública para debater do orçamento proposto pelo Executivo, com participação óbvia do Executivo, para que os senhores vereadores debatam e analisem a proposta ponto a ponto junto com o povo, já que deverão aprovar ou propor alterações.

Simples assim. 🤷🏼‍♀️

Janaína Pereira é administradora

Share

Papo de Mulher

MULHER PODE SER FELIZ SOZINHA

Oi gente! Nosso PAPO DE MULHER hoje aborda um tema muito polêmico que nos deixa refletir dois pontos. É possível uma mulher viver sozinha e ser feliz? Ou não! Mulher só é feliz se tiver alguém do lado que a faça realizada?
Nesse contexto, vamos pensar primeiro o que é SOLIDÃO? Para uns, solidão é estar só, isolada. Para outros, é um sentimento interno que necessariamente não está relacionado com estar com alguém ou não. Podemos estar ao redor de muita gente e mesmo assim senti um vazio. Você se encaixa em algumas dessas possibilidades? Pois bem, nós mulheres fomos educadas por uma sociedade extremamente preconceituosa e machista que afirma que uma mulher completa e feliz precisa estar casada, com filhos e etc. Melhor dizendo, ela “precisa” ter alguém do seu lado, que a proteja, que a ajude e assuma como mulher. Quem sai deste contexto não é confiável. É uma pobre coitada que ninguém quer. É impossível conceber ou aceitar que sim, nós mulheres podemos ser felizes sozinhas. E tá tudo bem! Não somos frustradas, tristes e infelizes. Apenas decidimos que optar por estar só não é obrigatoriamente sinônimo de solidão. É sim a possibilidade de reconhecer nosso valor como mulher e que não estar determinado aos homens ou “determinadas as pessoas” ser fundamentais para isso. Não sinta receio de estar só. Sinta orgulho de si e de ter a coragem de ser feliz com você mesma. Coragem essa que nem todas as mulheres conseguiram ter. Você pode estar com alguém e ser feliz. Pode estar só e ser feliz. Pode optar em ser mãe e também ser feliz, Como não querer ser mãe e ser muito feliz. Você, mulher, pode ser o que quiser. Não deve ser julgada por isso.
É necessário respeitar as escolhas de cada uma e reforçar a empatia num contexto em que não seremos mal interpretadas quando nossas escolhas forem diferentes de toda maioria. Seja feliz primeiro com a pessoa que você é, se curtindo, se amando e se respeitando como mulher. Como disse sabiamente Edna Figato: “ Quem aprecia a própria companhia não sabe o que é solidão.” Então, vamos buscar em nós mulheres a capacidade de estarmos bem, sozinhas ou não! Mudar as regras e superar tabus nos faz mais fortes. Só precisamos que tudo se alinhe. Não permita que uma sociedade machista lhe diminua ao ponto de definir o que você precisa para ser feliz. Seja você e se liberte na solidão!

Cristiane Soares é professora

Share

Comece de onde você está

Quantas vezes tivemos alguma ideia que parecia ser incrível, mas por algum motivo não executamos? Já teve vontade de empreender? Quis fazer algum curso, mas não se achou pronto ou capacitado para o desafio?

O medo de falhar, ou ser ridicularizado pelos amigos e até familiares, gera em nós uma barreira difícil de ser quebrada. Crescemos com alguns pensamentos que amedronta nossa vontade de sair da nossa zona de conforto, e assim, não desbravamos territórios ainda não percorridos. Em outras palavras: sabotamos nossa capacidade de evoluir todas as vezes que estamos prestes a passar para o outro nível.

Lendo biografias de pessoas que alcançaram patamares inimagináveis percebi que, na grande maioria dos casos, eles começam praticamente do zero e sem muito conhecimento na área que estavam atuando. Quando Steve Jobs iniciou seus primeiros experimentos na garagem da sua casa, poucos apostariam ou imaginariam que um dia ele criaria produtos tão modernos e inovadores desenvolvidos pela Apple. Silvio Santos iniciou seu império de empreendimentos vendendo porta título eleitoral nas ruas do Rio de Janeiro. Walt Disney chegou a falir seus empreendimentos várias vezes, por não saber administrar ou coordenar sua equipe. Mesmo assim, até por insistência e ousadia, ele construiu seu império de “sonhos” que continua crescendo e encantando, ainda que depois de muitos anos da sua morte.

Essas pessoas, mesmo atuando em áreas diferentes, possuíam algumas coisas em comum. Nunca se intimidavam pela: falta de dinheiro, falta de conhecimento ou apoio necessário para iniciar seus projetos. Isso prova que o mais importante para ter sucesso é simplesmente começar de onde você está. Embora possa parecer que seu conhecimento não é o bastante para construir o que você tem em mente, coloque em prática tudo o que foi pensado. Não dê ouvidos aos pessimistas ou aquela parte “racional” da sua cabeça. Depois que você iniciar seu projeto, naturalmente você vai encontrar as peças que faltam para montar esse novo “quebra-cabeça”.

Não tenho dúvida que estou muito longe do sucesso dessas pessoas que mencionei, e não seria louco de comparar minhas conquistas com as deles. Contudo, não posso negar que já avancei muito nos meus empreendimentos comparando com a forma que iniciei. Quando dei início ao Smart Fluent, há quase 12 anos, posso garantir que, naquele momento não tinha o conhecimento necessário para começar o curso. Primeiro pela questão financeira. Como era assalariado e não tinha nenhum dinheiro guardado, comprei apenas 4 cadeiras escolares, e as coloquei no menor quarto da minha casa. Tecnicamente falando, eu tinha o ensino médio como formação e ainda estava no início dos estudos da língua inglesa. Entretanto, todas essas adversidades não intimidaram minha vontade de pôr em prática o que acreditava ser necessário, onde cheguei a abrir 3 escolas de idiomas em 3 cidades diferentes. Certamente que no decorrer desses anos, fui me capacitando e estruturando aquilo se fazia necessário. Formei minha equipe e paralelamente a quantidade de alunos foi aumentando ano após ano. Descrevo essas coisas não para me gloriar, mas para provar que podemos iniciar nossos projetos, mesmo que tudo pareça ser desfavorável de onde nos encontramos. Se eu, oriundo de escola pública, sem recursos financeiros ou técnico venho vencendo os desafios de empreender e crescer, seguramente você também poderá fazer. Acredite: você é aquilo que desejar ser.

Pierre Pessôa – presidente do grupo Smart Company

Share

ONDE ESTAR A FORÇA DE UMA MULHER?

Maria Cristiane

Muito se fala da mulher guerreira, forte, com grande capacidade de realizar muitas tarefas ao mesmo tempo. No entanto abro essa coluna com algumas reflexões: Você mulher já se sentiu vulnerável? Sentiu que tudo o que você queria era poder parar tudo e jogar as coisas ao alto e mudar a sua vida? Já sentiu vontade de mostrar sua fragilidade e permitir-se fazer loucuras que, pessoas ao seu redor, ficariam surpreendidos? Já sentiu vontade de gritar para aos quatro cantos do mundo suas vontades, seus desejos ? Quem nunca!!!
A mulher é apresentada como forte por uma sociedade arcaica que entende que só ela aguenta dor e sofrimento. Vocês conseguem perceber qual o espaço de valor que nos colocam diante dos grupos sociais onde definem a nossa plena capacidade de lidar com situações do dia-a-dia mas que não foram escolhas nossas enquanto mulher? A força da mulher não está exatamente naquilo que ela suporta ou não. Mas sim, na essência daquilo que lhe forma e representa. Toda mulher tem uma mistura de fragilidade e força que muitas vezes não são reveladas abertamente. Um dia somos forte e suportamos tudo. No outro, queremos colo e cuidado de quem leva grandes cruzes pela vida. É importante enxergar essa mulher como um ser humano com necessidades, carências e sonhos que precisam ser respeitados. Como nós mulheres precisaram acabar com esses estereótipos que somos a base de uma família, dos homens, da sociedade ou para os que reforçam o pensamento machista de que tende nos valorizar dizendo que: “ por trás de um homem existe uma grande mulher!” Percebem que nós estamos sempre colocadas no patamar de atrás e nunca do lado, junto. Nossa força é subentendida como valorização, mas na verdade, é uma forma de mascarar o nosso maior valor.
Somo fortes por sermos sim mulher. No entanto ainda falta em nós mesmas descobrir a força que nos representa. Somos fortes, não porque foi definida pela sociedade a capacidade que temos de suportar tudo e sim por sermos a mulher que somos. Não se permita MULHER pensar diferente. O valor que tens é só seu e mais ninguém. Quando tivermos essa consciência mudaremos nossa vida e o mundo a nossa volta. Assuma diante de si, o seu real valor entendendo que ,como mulher, você pode tudo. Quer dar um basta? Dê! Quer mudar sua vida? Mude! Que viver e fazer coisas diferentes? Faça! Tudo depende de você! A sua força está na sua coragem de mudar e ser uma pessoa melhor.

Maria Cristiane Soares

Share

Mas, afinal, o que é DESPRENDIMENTO?

Janaina Pereira – administradora

Recentemente, postei uma foto com algumas lideranças políticas e sociais de Bezerros-PE em eventos dos quais sempre procurei participar, independente de partido político, e utilizei na legenda o termo DESPRENDIMENTO. Desde então, muitas pessoas me procuraram perguntando o que eu quis dizer.

Venho pensando muito a respeito, e resolvi retomar minha coluna no Bezerros Hoje trazendo a minha visão pessoal sobre isso. É bom lembrar que trata-se de uma coluna chamada Opinião, e que, por isso, está escrita em primeira pessoa e reflete unicamente o que eu penso. Mas gosto muito de receber comentários sobre opiniões diferentes, desde que respeitosos, como sempre tento ser. Entendido isso, vamos em frente. 
No meu entendimento, ter desprendimento político é ser capaz (de verdade) de abrir mão de se beneficiar diretamente através de um espaço no Legislativo ou Executivo, por exemplo, em nome de um melhor projeto para o município. Isso compreende abrir mão: de concorrer, de ocupar cargos, de articular bandeiras pessoais, de expor seu nome pessoal só para ganhar visibilidade para projetos futuros… Ora, é legítimo ter opções, ter desejo de contribuir e se colocar como alternativa, sem nenhuma dúvida! O que entendo como desprendimento, neste caso, é observar que foi apresentado ao município um projeto mais viável (na prática, e não somente para se chegar a ocupar a vaga, porque a finalidade não se esgota aí, tem muito trabalho pela frente) e capaz de melhorar Saúde, Educação, assistência aos mais necessitados, segurança pública, geração de renda, de emprego, preservação do meio ambiente, desenvolvimento de infra estrutura geral para possibilitar novas conquistas ao município, respeito ao espaço rural… Tudo que só se conseguirá com acesso e capacidade de articular POLÍTICAS PÚBLICAS, e não projetos pessoais ou simplesmente pontuais e passageiros.

Desprendimento do ponto de vista político, para mim, é tudo que praticamente não observamos em Bezerros nos últimos 25 anos. Pode até ser mais tempo, mas, como vou fazer 40, antes disso não acompanhava mais diretamente o contexto político administrativo em nossa cidade. E por que não percebo desprendimento pessoal na política durante todo esse tempo? Porque ele aconteceu sim, em algumas situações, quando alguns nomes abriram mão de concorrer ao pleito, só que foi por questões estratégicas eleotorais, para, mais à frente, ocuparem cargos, comissões ou liderar em comunidades em função de um projeto geralmente direcionado ao favorecimento do nome que se colocou à prova nas eleições.
O fato é que o jeito de se fazer politica mudou. Simplesmente mudou. E isso é muito positivo. Ainda estamos em transição para um novo contexto, e é por isso que percebemos uma polarização tão forte e até violenta entre apenas dois lados. Todo radicalismo é chocante e nos põe diante de um modelo tirânico, que não admite diálogo ou opiniões diferentes, e isso é o mais perigoso, porque alguns, envergonhados, desanimados ou intimidados, tendem a se calar.
É neste sentido que eu, particularmente, acredito nas palavras das pessoas de fato DESPRENDIDAS. Elas participarão do novo modelo de política que está sendo instalado, onde suas vozes serão ouvidas, mas não serão necessariamente porta-vozes de seus projetos pessoais. Não vão desejar ocupar cargos públicos para se manter simplesmente no poder, sendo eleitas e reeleitas ou fazendo sucessores indefinidamente, mas sem apresentar um único projeto que realmente ajude o povo. Estas pessoas desprendidas eventualmente vão abrir mão de ter seu nome liderando grupos, chapas ou articulando propostas hoje, porém serão naturalmente incorporadas ao processo administrativo na prática, porque o novo modelo de gestão política precisará de nomes como os delas, que pensem MESMO no coletivo antes de pensarem em suas próprias vontades, na remuneração super atraente ou no prestígio de aparecer e mandar, coordenar, arranjar emprego ou serem bajuladas… Essas pessoas serão eventualmente atacadas ou perseguidas, criticadas por quem não queria ver o modelo mudar. Elas serão alvos de fofocas, intrigas e maledicências. Narizes serão torcidos para elas, falta de respeito em redes sociais principalmente. Tentarão até diminuir a importância do que estão ajudando a fazer, mas elas estão e continuarão ali, firmes, porque o que as nove é um desejo legítimo de mudar o “status quo”, a situação atual que todos entendem como o tal “sistema”, e elas não vão desistir enquanto não conseguirem juntas melhorar o seu meio.
Parece sonho, não é? Mas até um duas desses, mulheres votando seria um sonho. Direito a saúde e educação era um sonho. Direitos trabalhistas eram um sonho. E até podem não ser totalmente respeitados, mas são direitos e nós os temos. Resta agora lutar por cada um deles. E para isso, precisamos do tal desprendimento. Através dele, vamos CONSTRUIR.
Felizmente, há pessoas em Bezerros que, ao menos no discurso, já perceberam o valor do desprendimento. Apenas por terem declarado isso, outros nomes se prontificaram a fazer parte do processo. Estas pessoas, também felizmente, estão por todos os lados, inclusive já ocupando cargos no serviço público, são comerciantes, funcionários de empresas, feirantes, trabalhadores da imprensa, profissionais liberais, lideranças comunitárias e tantas outras. Elas já estão aqui, esperando ser ouvidas, mas trabalhando nos bastidores da política através de seus exemplos. Mas elas também precisaram sair e voltar agora, porque entenderam suas vocações e hoje terão condições de contribuir com seu chamado. Elas também chegarão de longe, de todas as partes, e, com a vivência que tiveram lá fora, trarão o oxigênio das novas ideias e vontades, que, aliado às boas práticas dia mais experientes, funcionará como um motor de mudança.
Elas já estão aqui. E eu achando que estava sonhando sozinha… 🤷🏼‍♀️😏

Share