Obras paradas em Bezerros, segundo o TCE

Pernambuco tem 1.548 obras paralisadas sob responsabilidade do governo do estado ou de prefeituras. É o que aponta o relatório anual do Tribunal de Contas do Estado (TCE), divulgado nesta quarta-feira (13). São R$ 7,25 bilhões em contratos e projetos que foram abandonados e ainda não beneficiaram a população. Mais de R$ 2 bilhões já foram gastos.  Em Bezerros, as obras citadas são de responabilidade do Estado, como mostra o grafico reproduzido pela TV Asa Branca. Leia mais no G1

Share

Novo Fórum de Bezerros será inaugurado em 29 Março

A COMITIVA DA DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA – TJPE – ESTEVE HOJE (14/02/19) VISTORIANDO AS OBRAS DO FORUM NOVO DE BEZERROS E PRE RECEBENDO OS TOTAIS DA  EDIFICAÇÃO ARQUITONICA.  O DIRETOR – GERAL ANTONIO HIRSCHL, ADIANTOU NESTA OPORTUNIDADE QUE A INAUGURAÇÃO ESTÁ AGENDADA PARA A DATA DE 29 DE MARÇO. CERiMONIAL PREVISTO PARA  AS 15 H. ESTIVERAM VISITANDO A  OBRA FINAL ARQUITETOS E ENGENHEIROS DAQUELA DIRETORIA, APROXIMADAMENTE 30 PROFISSIONAIS. TODOS VINCULADOS AO PROCESSO ORA FINDO.  EM DESTAQUE MARIANA SOUTINHO. NO ATO FORAM APONTADOS PEQUENOS DETALHES A SEREM  EXECUTADOS COM URGENCIA  PELA EMPREITERA SC ENGENHARIA. –  TITULAR DOS MANEJOS EDIFICANDOS DA PORTENTOSA OBRA TÃO SONHADA PELA POPULAÇÃO BEZERRENSE. O PREDIO DARA ABRIGO A 5 VARAS JUDICIAIS E OUTROS ATIVIDADES CORRELATAS, COM  ESPAÇO PARA  BANCO 24 HORAS, COM POSSIBILIDDE DE PAGAMENTOS E RECEBIMENTOS DE CONTAS DIVERSAS BENEFICIANDO SOBREMANEIRA OS MORADORES DO POPULOSO BAIRRO DE SÃO PEDRO E SÃO SEBASTIÃO. CONTARÁ AINDA COM SALA PARA LANCHONETE, SALA DA ORDEM DOS ADVOGADOS, SECÇÃO DE PERNAMBUCO. O PREDIO POSSUI 3 MIL METROS DE ÁREA CONSTRUIDA, COM EQUIPOS DE ULTIMA GERAÇÃO, POSSUINDO ESTOCAGEM DE 80 MIL LITROS DAGUA APROXIMADAMENTE, EM DETALHE : – TODA A AGUA DOS EQUIPOS DE AR CONDICIONADOS SERÃO REAPROVEITADAS E TAMBÉM AS AGUAS DAS CHUVAS. O IMOVEL RECEM EDIFICADO É DE ULTIMA GERAÇÃO, NÃO EXISTINDO NO INTERIOR O DE IGUAL POTENCIAL. OBRA FUTURISTA QUE REQUINTARÁ OS DOIS BAIRROS CITADOS E DARA DIGNIDADE PARA OS JURISDICIONADOS DESTE MUNICIPIO, CUJO PROJETO JÁ ERA ESPERADO POR MAIS DE 8 ANOS. AFIRMOU DR. EDGAR LINO FERREIRA, ADVOGADO MILITANTE – PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DOS  ADVOGADOS DE BEZERROS E ADJANCENCIAS. NA OPORTUNIDADE TAMBÉM FICOU CONVERSADO SOBRE A POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DO FORUM DA VIZINHA CIDADE DE SAIRÉ, PROJETO TAMBEM DESTA ASSOCIAÇÃO.

(EDLIFE- jorn.report.fot.DRT/RJ – 14.585)

Share

Senar/PE abre seleção para curso gratuito em Agronegócio nos polos de Bezerros e Recife

Inscrições serão realizadas até o dia 14 de fevereiro, exclusivamente pela internet

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Pernambuco (Senar/PE) está com inscrições abertas para o processo seletivo do curso Técnico em Agronegócio, nos polos de Recife e Bezerros.

No total, são ofertadas sessenta vagas, sendo trinta para Recife e mais trinta para Bezerros. O credenciamento vai até o dia 14 de fevereiro pelo site senar.org.br/etec

Antes de efetivar a cadastro, os candidatos devem ler o edital atentamente, pois o sistema aceita somente uma inscrição por CPF e não permite edição após o envio dos dados. No ato da inscrição, o candidato deverá anexar seu histórico escolar e indicar, entre as duas cidades de Pernambuco, onde deseja receber as aulas presenciais.

A lista dos selecionados na primeira fase será publicada até o dia 18 de fevereiro no site http://senar-pe.com.br/ Em seguida, haverá o critério de classificação por entrevistas, a serem realizadas entre os dias 20 e 25de fevereiro, nos polos escolhidos. O início das aulas está previsto para o dia 08 de março.

O curso

Na modalidade semipresencial, o curso tem carga horária de 1.230 horas e está dividido da seguinte forma: 80% é feito a distância e 20% com aulas presenciais, no polo indicado pelo candidato aprovado.

Durante a formação, o participante estudará técnicas de gestão, de comercialização, e aprenderá como atuar na execução de procedimentos para planejar e auxiliar na organização e controle das atividades do agronegócio.

De acordo com o superintende do Senar/PE, Adriano Moraes, o curso certificado pelo Ministério da Educação (MEC), é gratuito, incluindo todos os materiais didáticos aplicados.

Para mais informações, entre em contato com a coordenação de Treinamentos do Senar/PE: (81) 3312.8966.

Polos

Bezerros

Avenida Monsenhor José Florentino de Oliveira, nº 07, Bairro Santo Amaro. CEP: 55.660-000. Contatos: (81) 97116 – 9151 | (81) 99713.6082

Recife

Rua Marquês do Recife, nº 154, Edifício Limoeiro – 2º Andar. Bairro Santo Antônio. CEP: 50.010-060.  Contato: (81) 3312-8966

SERVIÇO

O que: Processo seletivo curso Técnico em Agronegócio

Data: De 23/01 a 14/2

Link para acessar o edital e efetivar a inscrição: http://etec.senar.org.br/

Informações e dúvidas: (81) 3312.8966 – De segunda a sexta, das 8h às 18h

Share

Fogo Cruzado

Bolsonaro vai assumir o governo daqui a seis dias numa conjuntura política altamente favorável. De acordo com pesquisa do Datafolha divulgada anteontem, a maioria dos brasileiros está otimista com o futuro presidente, achando que o cenário econômico vai melhorar a que a taxa de desemprego vai cair, É uma ótima notícia para o presidente eleito, que obteve nas urnas 55% dos votos válidos e vê os eleitores que o sufragaram dizendo que confiam no futuro governo. Imagine se o cenário fosse o inverso, ou seja, se a maioria dos eleitores dissesse que não confiavam no próximo governo? Seria uma tragédia para o novo presidente, que além da desconfiança dos eleitores teria que lidar também com um cenário econômico desfavorável. Sorte dele deparar com essa pesquisa, cujos indicadores são todos favoráveis ao governo que está entrando. Agora, não se deve esquecer também que Bolsonaro entregou toda a área econômica do governo a um homem só: o economista Paulo Guedes, futuro ministro da Economia, que vai comandar também o Planejamento e o Ministério de Desenvolvimento Econômico, além de ter indicado os presidentes do Banco do Brasil, do Banco Central, do BNDES, da Caixa Econômica, da Petrobras, da Eletrobrás e o secretário da Receita Federal. Numa análise superficial, ou tudo dará muito certo ou tudo dará muito errado. Oxalá tudo dê certo, apesar de Bolsonaro ter entregue todo o comando da economia a um homem só – o economista Paulo Guedes, que pela primeira vez vai trabalhar no setor público.

É preciso coragem

João Doria (PSDB), governador eleito de São Paulo, convidou seis ministros de Michel Temer para o seu secretariado e apenas dois membros do seu partido. Que outro governador teria essa coragem, sabendo-se que Temer é o presidente mais impopular da história do Brasil? Sua grande conquista foi Henrique Meirelles, que como ministro de Temer tirou o país da recessão.

O contraste – Não é propriamente suntuoso o novo prédio da Compesa, em Santo Amaro, mas em relação à média das repartições públicas estaduais dá de 10 a zero. Aliás, basta compará-lo com a sede da vice-governadoria que fica a 200 metros de distância. Um é luxo e o outro é lixo.

O atraso – O Estado tem que dar explicações sobre empresas terceirizadas que trabalham para o governo estadual. O Estado diz que paga regularmente a essas empresas, ao passo que elas dizem que estão sem receber há 4 meses e por isso não pagam o salário dos seus funcionários.

Em ordem – Após enfrentar um período de turbulência, o prefeito de São Lourenço, Bruno Pereira (PTB), diz ter conseguido pôr a casa em ordem, Até o presidente da Câmara Municipal, Cícero Pinheiro (PTB), escolhido na semana passada, pertence ao seu grupo político.

Troca de dono – A revista “Veja” já começou sofrer mudanças depois que a Editoria Abril foi vendida ao empresário Flávio Carvalho (RJ). A edição desta semana veio sem a tradicional entrevista das páginas amarelas. A Editora deve R$ 1,6 bilhão a apenas quatro bancos.

A unidade – As oposições de Caruaru já está conversando visando às eleições de 2020. Tony Gel (MDB) acha cedo tratar deste assunto, mas não abre mão da cabeça da chapa para “seu ninguém”. Os outros postulantes à sucessão da prefeita Raquel Lyra (PSDB) são Wôlney Queiroz (PDT) e o Delegado Lessa (PP).

Veja o blog do Inaldo Sampaio aqui 

Share

Fogo Cruzado- Por Inaldo Sampaio

  • É difícil entender o que faz a Secretaria da Mulher no organograma do governo estadual

Seguiu sexta para a Assembleia Legislativa o projeto de lei de autoria do Poder Executivo sugerindo mudanças na estrutura administrativa do governo estadual. Não haverá redução do número de pastas e sim alterações na nomenclatura. Algumas mudanças têm razão de ser, como a junção de Esporte com Educação, e Cidades com Habitação. Também é racional a criação da Secretaria de Infraestrutura e Recursos Hídricos, absorvendo as atribuições da Secretaria de Transportes, bem como a de Políticas de Prevenção às Drogas que é o maior problema de Pernambuco na atualidade. Talvez coubesse também nesse redesenho uma Secretaria de Administração Penitenciária, absorvendo Justiça e Direitos Humanos e a extinção da Secretaria da Mulher por falta de foco. Em relação à primeira, a população carcerária de Pernambuco cresceu assustadoramente nos últimos 10 anos, com a presença de gangs organizadas em nossos presídios, e uma secretaria para cuidar exclusivamente dessa área talvez fosse mais adequado que uma secretaria executiva. No que toca à segunda, é difícil até entender o que faz a Secretaria da Mulher. Uma senhora que vem do interior para o Recife atrás de tratamento médico é assunto da Secretaria da Mulher ou da Saúde?. Já uma adolescente da rede estadual que está fazendo intercâmbio no exterior entra na cota da Secretaria de Educação ou da Mulher? É por isso que não há muito sentido na existência dessa pasta. Até porque questões de gênero, hoje, estão espalhadas por quase todas as outras secretarias.

Máquina enxuta

Bolsonaro prometeu reduzir de 29 para 15 o número de ministérios, mas vai ficar nos 22. Já o governador eleito de Minas, Romeu Zema (NOVO), vai honrar a promessa de campanha e governar com apenas 11 secretarias. O governador reeleito do Ceará, Camilo Santana (PT), em linha oposta à de Paulo Câmara, resolveu extinguir a Secretaria de Combate às Drogas.

Imexível – Roberto Tavares, presidente da Compesa, é um dos poucos nomes “imexíveis” do governo Paulo Câmara. Ou fica onde está ou assumirá a futura Secretaria de Recursos Hídricos. Tavares é oriundo da Fazenda, mas é quem mais entende de “água” hoje em Pernambuco.

Harmonia – O governador deve manter também o secretario de Defesa Social, Antonio de Pádua, cujo trabalho pela redução da criminalidade já dá os primeiros frutos. Ele é delegado da Polícia Federal e isso por si só ajuda a manter em harmonia as Polícias Civil e Militar.

Outro lado – A imprensa pega pesado no pé de João de Deus, acusado de vários estupros em Abadiânia (GO). Mas talvez já fosse a hora de mostrar também “o outro lado”, ou seja, pessoas que ele curou pela mediunidade, inclusive um conhecido marqueteiro de Pernambuco.

O Natal – Nos últimos 20 anos, a ornamentação natalina do Recife foi a mais pobre. Não se ornamentou as pontes do centro nem o trecho da Avenida Agamenon Magalhães que vai de Olinda à subida do viaduto Capitão Temudo, que era uma tradição nas gestões passadas.

Presentaço – Quem procura livro para dar de presente neste Natal, uma boa opção é “Autópsia do medo” do repórter policial Parcival Barroso. Trata-se de uma azeitada biografia do delegado Sérgio Fleury (SP), cujo nome se confunde com tortura e esquadrão da morte. No capítulo “A maldição dos porões”, ele conta o trágico fim de pelo menos duas dezenas de torturadores.

Visite o blog do Inaldo Sampaio aqui 

Share

BRANQUINHO COMEMORA VITÓRIA DE CHAPA QUE ELEGEU MILTON BIVAR PRESIDENTE DO SPORT

O prefeito de Bezerros, Branquinho (PSB) (b) , que já foi presidente do Sport Clube do Recife, comemorou a eleição do mais novo presidente do clube, o Milton Bivar (e), que terá a dura missão de recuperar um dos gigantes do futebol nordestino no biênio 2019-20. Esta será a segunda vez que o dirigente assume o cargo, já que ditou as regras no clube entre 2007 e 2008. Quando as urnas foram abertas, Bivar venceu de lavada Eduardo Carvalho. No total, ele teve 2.477 votos (86,71%) contra 329 votos do rival (13,28%). Além dos votos válidos, houveram 25 brancos e nulos.

Share

Fogo Cruzado- Por Inaldo Sampaio

Bolsonaro escolheu alguns ministros de grande prestigio nacional e outros altamente polêmicos

O deputado Daniel Coelho – que já passou pelo PV, o PSDB e hoje pertence ao PPS – está convencido de que sob o governo de Jair Bolsonaro o Brasil iniciará um novo ciclo. Que nada tem a ver com o ciclo de Collor, FHC, Lula, Dilma Rousseff e Michel Temer. Esse novo ciclo começou a nascer, diz o parlamentar, ainda em 2016 quando o povo saiu às ruas para reclamar o impeachment de Dilma e a melhoria dos serviços públicos, especialmente, transporte, saúde, segurança e educação. A chegada de Bolsonaro ao governo representaria o sepultamento de toda aquela pauta velha defendida pelo PT, o PSDB e o MDB, numa clara demonstração de que o Brasil queria eleger um presidente de ruptura, sem qualquer compromisso político com os partidos tradicionais. Se o novo governo dará certo ou não ainda não sabemos, porém está nascendo duplamente legitimado. Primeiro, pelos 57 milhões de votos dados ao presidente e, em segundo lugar, pelo fato de 75% dos brasileiros, segundo o Ibope, acharem que Bolsonaro está no caminho certo. O futuro presidente escolheu para seu ministério figuras de grande prestígio nacional como Sérgio Moro (Justiça) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) e também figuras altamente polêmicas como Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Damares Alves (Direitos Humanos) e Ricardo Velez (Educação). Foi uma jogada de risco que somente um presidente de ruptura teria coragem de fazer. E não adianta dizer que a nação está certa ao reprovar essas escolhas, e o presidente errado, pois quem recebeu os votos para governar foi precisamente ele.

Paranaense de nascimento

Alguns órgãos de imprensa chegaram a divulgar que a futura ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, teria nascido em Sergipe, garantindo a presença de pelo menos um nordestino no ministério de Jair Bolsonaro. Ela na verdade nasceu em Umuarama (PR) e morou em Sergipe quando criança. Assim, dos 22 futuros ministros, nenhum deles nasceu nesse pedaço de Brasil.

A queda – Não foi apenas em Arcoverde que os eleitores deram baixa votação aos candidatos da terra. Em Limoeiro, o deputado federal Ricardo Teobaldo (Podemos) obteve 14.900 votos em 2014 e apenas 6.283 em 2018. Já seu irmão, José Humberto (PTB), deputado estadual, caiu de 6 mil para 2.801.

Falsidade – O Instituto de Criminalística de Pernambuco confirmou ser falsa assinatura de Telma da Silva Passos num processo de alienação de um veículo de sua propriedade. Ela teria assinado o documento depois de morta num acidente de carro em Petrolândia. Para obter esse laudo do ICP os familiares de Telma, que residem em Itapetim, aguardaram 1 ano pela boa vontade do delegado.

A volta – É grande o time de ex-prefeitos pernambucanos ensaiando a volta ao poder em 2020 – Fernando Urquiza (Sirinhaém), Tony Gel (Caruaru), Severino Ninho (Igarassu), Jorge Alexandre (Camaragibe), Zeca Cavalcanti (Arcoverde) e João Paulo (Recife).

Na muda – Em que pese ter apoiado Jair Bolsonaro em Olinda, o ex-prefeito José Arnaldo não tem interesse em fazer parte da equipe de transição. Interessa-lhe, isto sim, disputar a prefeitura pelo PSL, apoiado pelo presidente, contra Renildo Calheiros ou Luciana Santos (PCdoB).

E Bruno? – João Doria, governador eleito de SP, chamou seis ministros de Temer para o seu secretariado, entre eles Henrique Meirelles, Sérgio Sá Leitão, Alexandre Baldy e Rossieli Soares. Esqueceu, porém, do pernambucano Bruno Araújo, que tem o seu apoio para presidente nacional do PSDB.

Leia o blog do Inaldo Sampaio aqui 

Share

FOGO CRUZADO – POR INALDO SAMPAIO

É um bom começo para o presidente Bolsonaro

Pesquisa do Ibope acaba de mostrar que 75% dos brasileiros avaliam que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, está no rumo certo ao escolher seus 22 futuros ministros e reafirmar seu compromisso de promover algumas reformas, entre elas a previdenciária. Bem verdade que o levantamento foi realizado antes de vir à tona o caso “Flávio Bolsonaro”, mas ainda assim não se acredita que o pai tenha perdido popularidade por causa disto. O presidente eleito continua gozando de que popularidade, o que não é positivo apenas para ele mas também para o país. Ruim seria se ele fosse assumir o governo daqui a mais duas semanas com a popularidade em baixa porque lua-de-mel com popularidade costuma durar pouco. Bolsonaro fez boas escolhas para a área econômica, dado que a equipe tem capacidade técnica e homogeneidade ideológica, e em que pese estar sendo muito criticado pelas escolhas dos ministros da Educação, Relações Exteriores e Direitos Humanos, não perderá prestígio por causa disto, pelo menos em curto prazo. Significa que o crédito de confiança que a nação lhe deu no último pleito continua de pé. Se conseguirá ou não honrar as promessas de campanha, só iremos saber mais adiante.

Gesto de solidariedade

O ministro Raul Jungmann (Segurança Pública) não queria encerrar sua passagem pelo governo Temer sem fazer um gesto com Pernambuco. Daí a decisão de liberar 20 milhões para a prefeitura do Recife construir três novas unidades do Compaz. O equipamento é revolucionário e deve sua chegada a Pernambuco ao secretário Murilo Cavalcanti (Segurança Urbana).

À disposição – Caso seja convidado, Jungmann não se negará a fazer parte do futuro governo Paulo Câmara. Daria um bom secretário de Defesa Social, dada a experiência acumulada no governo federal, embora ache que o secretário Antonio de Pádua deva continuar.

Outro general – Romeu Zema, governador eleito de Minas Gerais, é mais um da safra de outubro a escolher um general para a Secretaria de Segurança. O escolhido foi o general de brigada Mário Lúcio Alves de Araújo, que como candidato a deputado federal pelo PSL obteve apenas 20.140 votos.

O dízimo – A partir de fevereiro, deputados federais e estaduais do PT terão que doar para o partido 10% do seu salário. É o jeito que a direção nacional achou para saldar dívidas da campanha de Fernando Haddad, que totalizam cerca de 50 milhões.

Espaço 1 – Mesmo que tire o PDT da Secretaria de Agricultura para entregá-la ao PT, o governador Paulo Câmara não deixará os brizolistas fora do governo. Vai acomodá-los em outra pasta porque tem apreço pelo partido e o seu presidente Wôlney Queiroz.

Espaço 2 – No terceiro governo de Miguel Arraes (1995-1998), o PT era aliado do PSB e foi acomodado pelo governador na Secretaria de Saúde. A passagem não durou muito porque o partido tinha muitas alas brigando entre si que, o que obrigou o governador a pedir a pasta de volta.

Bola cheia – Todos os ministros de Bolsonaro têm o direito de errar, à exceção de dois – Paulo Guedes (Economia) e Sérgio Moro (Justiça). A ambos o presidente eleito deu carta branca para escolher todos os seus assessores e não vetou o nome de ninguém.

O time – Paulo Câmara já escolheu os nomes de todos os seus futuros secretários, mas está sem pressa para anunciá-los porque não pretende atrapalhar o Natal de ninguém. Haverá mudança em pelo menos metade das pastas, incluindo remanejamentos.

Sem arestas – Aos 85 anos, o ex-governador Roberto Magalhães (DEM) não tem mais idade para brigar com ninguém. Achou estranha a aliança de Jarbas Vasconcelos (MDB) com o PT nas últimas eleições, mas, para preservar sua amizade com o senador eleito, evitou criticá-lo por causa disto.

Visite o blog do Inaldo Sampaio AQUI

Share

Prefeito de Bezerros irá participar de entrega do Prêmio Qualidade dos Gastos Públicos

O prefeito Severino Otávio (Branquinho) estará na cerimônia de entrega do Prêmio Qualidade dos Gastos Públicos dos Municípios da Área de Atuação da Sudene 2017, que será realizada nesta quinta-feira, 13 de dezembro, a partir das 9h na AMUPE – Associação Municipalista de Pernambuco, em Recife.

A premiação visa reconhecer os gestores públicos municipais que obtiveram um bom desempenho dos índices fiscais. Foram relacionados para a avaliação os investimentos realizados, despesas sociais (assistência social, educação, habitação, saneamento, saúde e urbanismo) e equilíbrio financeiro. Os municípios serão premiados pelas seguintes categorias: até 20 mil habitantes; de 20 mil a 50 mil habitantes; de 50 a 150 mil habitantes e acima de 150 mil habitantes.

Com esse projeto, a Sudene tem por objetivos viabilizar uma ferramenta de controle social, através da divulgação dos resultados obtidos, de modo que os munícipes tenham conhecimento do desempenho de seu município e possam comparar com outros em seu estado, e colocar à disposição de gestores, sociedade civil e organizações públicas estudos de qualidade, visando subsidiar a tomada de decisões e elaboração de políticas públicas.

Share

FOGO CRUZADO- POR INALDO SAMPAIO

Jair Bolsonaro já declarou publicamente que abomina o método Paulo Freire

Dois revolucionários nordestinos terão seus nomes inscritos nesta quarta-feira no livro dos “Heróis da Pátria” que está localizado na Praça dos Três Poderes, em Brasília. São eles Miguel Arraes e Bárbara de Alencar. Arraes nasceu no Araripe (CE), morou no Crato, e aos 15 anos se transferiu para o Recife a fim de concluir os seus estudos. Aqui foi deputado estadual, prefeito da capital, governador e deputado federal. Como prefeito, lançou o revolucionário “Movimento de Cultura Popular” que visava à alfabetização de moradores dos morros e das periferias pelo também revolucionário método Paulo Freire, que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, já disse que abomina. Como governador, mediou o histórico “acordo do campo”, entre empresários da cana e do açúcar e trabalhadores rurais da Zona da Mata, pelo qual esses últimos passaram a ter direito à carteira de trabalho e ao pagamento do salário mínimo. Bárbara de Alencar, da mesma família do ex-governador, nasceu em Exu (PE), mas ainda jovem foi morar no Crato (CE) de onde apoiou a Revolução Pernambucana de 1817 e a Confederação do Equador de 1824, tornando-se a primeira presa política do Brasil. Cumpriu a pena num presídio de Fortaleza e em sua homenagem o cearense Ednardo compôs uma das mais belas peças do seu cancioneiro.

Nos dois turnos

O ex-governador Roberto Magalhães revelou ontem que votou em Bolsonaro nos dois turnos “achando que ele não ganhava”. Votaria em qualquer um, disse ele, para evitar que o PT voltasse ao comando da nação. Disse não saber o que seria do Brasil, hoje, sem a Operação Lava Jato, dado ter sido o PT o grande responsável “por essa desgraça que está aí”.

1º lugar – A estudante Liz Figueiredo e Bezerra, 12 anos, do Colégio Diocesano de Caruaru, conquistou o 1º lugar geral na 5ª edição da Olimpíada Brasileira de Raciocínio Lógico de 2018. Ela alcançou a medalha de ouro na categoria “Nível 2”, com a nota 32 (a máxima era 36) e obteve a melhor classificação entre 2.371 estudantes do 7º ano de todo o país.

O balanço – A deputada e vice-governadora eleita, Luciana Santos (PCdoB), fará amanhã um ato político a fim de prestar contas do seu mandato. O evento acontecerá no Espaço Jardim Aurora, no Recife, a partir das 18h. Ela permanecerá na direção nacional do partido,

A presença – Apesar dos seus 88 anos, o ex-presidente José Sarney fez questão de ir ontem ao TCU para prestigiar a posse do ministro José Múcio na presidência do TCU. Múcio pertencia ao PDS quando Sarney era presidente nacional do partido e virou vice de José Sarney.

A redução – O governador Camilo Santana (CE) enviou ontem um projeto à Assembleia Legislativa do Ceará propondo a redução do número de secretarias, que cairá de 29 para 22 (igual a Bolsonaro com o ministério). Uma das que serão extintas será a de Combate às Drogas.

Nada a ver – O general Hamilton Mourão, vice-eleito de Bolsonaro, disse que seu modelo de ação será o pernambucano Marco Maciel, que foi vice de FHC. Só que um nada tem a ver com o outro. O general foi a vida inteira militar e Maciel foi a vida toda político, tendo sido deputado estadual e federal, presidente da Câmara, governador, senador, ministro e vice-presidente da República.

Leia o blog do Inaldo Sampaio aqui 

Share

Vereadores de Bezerros prestigiam diplomação dos eleitos em PE

O novo Presidente da Câmara Municipal dos vereadores de Bezerros Gabeira e o vice – presidente Eliel Vieira estiveram na cerimônia de diplomação dos eleitos em 2018 que aconteceu na quinta (06) no Recife.

Em suas redes sociais Gabeira publicou imagem ao lado do Presidente da Alepe Eriberto Medeiros. “Seguirei fortalecendo esse laço de amizade” disse Gabeira ao afirmar que buscará através dele soluções para os problemas no município. Gabeira e Eriberto disputariam juntos na eleição de 2018 para estadual e federal mas com a desistência de Eriberto que voltou a disputar o cargo de deputado estadual, Gabeira foi convidado a seguir com Felipe Carreras. Gabeira foi o mais votado em Bezerros com mais de 3.800 votos e seu federal Felipe Carreras obteve mais de 1200 votos.

O vice – presidente Eliel Vieira o principal nome do segmento evangélico em Bezerros que também esteve presente encontrou – se com o Pastor Jairinho que foi candidato  a senador e também acompanhou a diplomação do seu deputado estadual Waldemar Borges.

Do PH BEZERROS

Share

Coluna Fogo Cruzado- por Inaldo Sampaio

O tema “caixa dois” deve ser tirado de pauta para que a agenda de Bolsonaro seja conhecida

“Caixa dois” sempre existiu no Brasil desde que eleição é eleição. Funcionava mais ou menos como o jogo do bicho, que é contravenção penal mas nem por isso o povão deixou de jogar. O “caixa dois” é dinheiro não contabilizado, para usar uma expressão de Delúbio Soarees, e o partido que disser que nunca fez uso dessa prática está mentindo. Empresários doavam “por fora” porque não queriam que seus nomes fossem expostos e os partidos ocultavam os doadores porque não tinham interesse em tornar público suas identidades. Agora, que há um presidente eleito querendo olhar para o futuro, o Congresso Nacional deveria celebrar um acordo para anistiar logo os beneficiários de “caixa dois”, de 2016 para trás. Ou será que vamos ficar eternamente discutindo se Serra, Alckmin, Humberto Costa, Michel Temer, Gilberto Kassab, Ônix Lorenzoni e outros mais receberam dinheiro de empreiteiras para suas campanhas e não prestaram contas à Justiça Eleitoral? Este assunto já saturou o povo brasileiro, que está muito mais interessado, presume-se, em conhecer as primeiras medidas do governo Bolsonaro para tirar o país da crise, e por isso deve ser retirado de pauta imediatamente. É chegada a hora de o Brasil debruçar-se sobre outra agenda porque essa não constrói absolutamente nada. “Caixa dois” é coisa do passado, e se tiver que se manter em pauta, que seja a partir de 2020.

Homem macho, sim senhor!

Governava a Paraíba o ex-deputado João Agripino quando o governo militar pôs o jogo do bicho na ilegalidade. O valente governador, nascido em Catolé do Rocha, foi ao general de plantão, Arthur da Costa e Silva, e disse: “Na Paraíba o jogo não fecha, a menos que o senhor arranje emprego para 150 mil pais de família que vivem dessa atividade”. E não fechou mesmo não.

Que vergonha! – A partir do dia 17, São José do Egito, no Pajeú, também conhecida como “terra de poetas”, não terá mais Delegacia de Polícia. Ela será transferida para Afogados da Ingazeira porque a SDS não paga o aluguel há dois anos e o dono do imóvel entrou com ação de despejo. O comunicado foi feito pelo próprio delegado Paulo Henrique de Medeiros.

Um marco – Além de Henrique Queiroz (PR), só houve um deputado estadual em Pernambuco com 10 mandatos consecutivos: Felipe Coelho, nascido em Ouricuri e conhecido nas rodas políticas como “O tigre do Araripe”. Era um sertanejo bravo e dirigiu a Alepe em três ocasiões.

Só uma – Houve tempo em que Ouricuri, Salgueiro, Araripina, Belém do São Francisco e Floresta tinha seus próprios representantes na Assembleia Legislativa. A partir de fevereiro, a bancada sertaneja encolherá: Rodrigo Novaes, Fabrízio Ferraz (Floresta) e Roberta Arraes (Araripina).

Peso grande – Pernambuco gastará em 2019 quase R$ 2 bilhões com sua folha de inativos mas é como se nada estivesse ocorrendo. É preciso que o Governo do Estado tenha um olhar responsável sobre essa matéria, sob pena de, em médio prazo, estarmos nivelados ao RJ, MG e RS.

As portarias – Goiana não vive propriamente um clima de paz desde que o prefeito Osvaldo Rabelo Filho (MDB) tirou licença para tratamento de saúde. O juiz mandou tornar sem efeito todos os atos do Poder Executivo de 2 de agosto a 8 de outubro mas o vice, Eduardo Honório, revalidou por meio da portaria 492/2018.

Leia o blog do Inaldo Sampaio aqui 

Share

Apenas 13 cidades pernambucanas se destacam em Índice de Gestão; Bezerros entre as 22 cidades que responderam parcialmente ao questionário

O indicador mostra a qualidade da administração municipal, dando notas A (altamente efetiva), B+ (muito efetiva), B (efetiva), C+ (em fase de adequação) e C (baixo nível de adequação)JC Online – Publicado em 

Somente 13 cidades de Pernambuco alcançaram a nota B, que indica a gestão como “efetiva” no Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEGM), divulgado ontem pelo Tribunal de Contas de Estado (TCE): Afogados da Ingazeira, Barra de Guabiraba, Camaragibe, Cupira, Jaboatão dos Guararapes, Jaqueira, Orobó, Panelas, Paudalho, Paulista, Recife, São Bento do Una e Triunfo. O indicador mostra a qualidade da administração municipal, dando notas A (altamente efetiva), B+ (muito efetiva), B (efetiva), C+ (em fase de adequação) e C (baixo nível de adequação), obtidas como se fossem uma média do desempenho em sete áreas, incluindo saúde, educação, planejamento, gestão fiscal, meio ambiente, proteção das cidades e governança da tecnologia da informação.

Em Pernambuco, nenhuma nota A. “É difícil o município ter a nota A, porque precisa ter notas acima de 9 em pelo menos cinco áreas diferentes. É a primeira vez que fazemos isso. A partir da hora que começamos a medir, há uma tendência de que as prefeituras comecem a apresentar uma gestão melhor em várias áreas”, diz o diretor do Departamento de Controle Municipal do TCE, Antônio Cabral.

Foi o primeiro ano que o TCE divulgou esse índice, com cálculo padronizado pelo reconhecido Instituto Rui Barbosa junto com o Tribunal de Contas do Estado do Maranhão

Os dados usados para calcular as notas são fornecidos pelos próprias prefeituras e não são auditados pelo TCE. Dos 184 municípios pernambucanos, 159 responderam aos sete questionários que compõem o índice.

Não responderam

Olinda, Ipojuca, Chã de Alegria, Mirandiba, Calçado, Cachoeirinha, Jucati, Sanharó, Capoeiras, Manari, São João, Terezinha, Tupanatinga, Catende, Cortês, São Benedito do Sul, São José da Coroa Grande, Tamandaré, Granito, Santa Cruz, Bezerros, Casinhas, Salgadinho responderam parcialmente ao IEGM. Os municípios de Jurema e Quipapá não responderam a qualquer dos indicadores.

Share

Fogo Cruzado- Por Inaldo Sampaio

Joaquim Francisco e Bruno Araújo representam o PSDB regional no time de Jair Bolsonaro

O ex-governador Joaquim Francisco, em entrevista ao “Roda Viva Pernambuco”, anunciou que o PSDB, ao qual está filiado há cerca de dois anos, resolveu mandar às favas os escrúpulos de consciência e estará na base de apoio ao presidente eleito Jair Bolsonaro. A linguagem do candidato do PSL nada teve a ver com a linguagem de Geraldo Alckmin, que foi o candidato tucano a presidente da República. Muito pelo contrário, Alckmin chegou a compará-lo ao coronel Hugo Chávez, da Venezuela, que produziu o que há de mais atrasado no país vizinho: o presidente Nicolas Maduro. Nada obstante, já no segundo turno da eleição, os três candidatos do PSDB que venceram eleição para governador declararam apoio a Bolsonaro: João Doria (São Paulo), Eduardo Leite (Rio Grande do Sul) e Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul), contrariando a opinião do ex-presidente FHC e do senador José Serra, que pregaram a neutralidade. Bolsonaro não reservou nenhuma de suas 20 pastas para os tucanos, mas nem precisou. O partido entrou de corpo e alma no governo, abdicando definitivamente de sua história e do seu passado de legenda que nasceu de uma costela do MDB para defender a social democracia. Joaquim e o deputado Bruno Araújo comandam o pelotão bolsonarista em Pernambuco, que até agora está contemplado apenas na equipe de transição do futuro governo.

Transição republicana

Coube ao empresário Gilson Neto, sobrinho do ex-deputado Gilson Machado, recentemente falecido, indicar Joaquim Francisco e o publicitário Osvaldo Matos para a equipe de transição de Bolsonaro. Joaquim está satisfeito com a indicação e diz que o ambiente no Centro Cultural do Banco do Brasil, no DF, onde Bolsonaro monta o governo, é o mais “republicano” possível.

Duas bandas – A entrada do PSDB no governo Bolsonaro dividirá o partido em duas bandas. Uma liderada pelo governador eleito de SP, João Doria, e outra pelo senador José Serra. O ex-presidente FHC e presidente de honra do partido, contrário à adesão, vai dedicar-se a palestras.

O atraso – Ainda não se cogita no governo Paulo Câmara acordo com os grandes contribuintes de ICMS de Pernambuco para permitir que o Estado possa pagar até o próximo dia 20 o 13º salário dos servidores. O governo Jarbas fez isto em 1999 para pagar folhas em atraso deixadas por Arraes.

O dono – O deputado federal eleito Sílvio Costa Filho (PRB) já é presença garantida na base de apoio a Bolsonaro, apesar de seu pai, Silvio Costa, que não se elegeu senador, ser oposição. Silvinho não reza pela cartilha dele e nem do pai, e sim da Igreja Universal que é a dona do partido.

Sem briga – Até o primeiro governo Lula, era grande a briga nos partidos governistas pela indicação de dirigentes de cargos de 2º escalão na região Nordeste: Chesf, Codevasf, Dnocs, Sudene e BNB. Bolsonaro é presidente eleito há 40 dias e ninguém toca neste assunto.

Desaparelhar – Um dos maiores desafios do presidente eleito Jair Bolsonaro é “desaparelhar” a máquina pública federal que o PT “aparelhou” nos 14 anos de governos Lula e Dilma. Quem pensa que isso será fácil aguarde o resultado. O PT colocou gente sua em todos os escalões governamentais.

Leia o blog do Inaldo Sampaio aqui

Share

Fogo Cruzado – Por Inaldo Sampaio

O MDB não fará oposição a Bolsonaro, mas também não fará parte da base governista

Pela primeira vez, desde a inauguração da Nova República em 1985, o MDB não estará na base de apoio ao presidente da República. O senador Romero Jucá informou ontem que o partido vai manter uma “independência ativa” em relação ao futuro governo, embora sua bancada federal esteja liberada para reunir-se hoje com Jair Bolsonaro a fim de saber o que ele quer. Esse encontro, marcado para as 15h, em Brasília, foi agendado pelo futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, a quem cabe construir a maioria governista no Congresso Nacional. Entretanto, se dependesse apenas de Bolsonaro, provavelmente não aconteceria. O presidente eleito já deixou claro que não porá em prática o “presidencialismo de coalizão” em que os partidos políticos indicavam os ministros e o presidente da República apenas os ratificaria. Daí não poder-se esperar nada de novo das reuniões que Bolsonaro terá hoje com as bancadas do MDB e do PRB. O primeiro promete ficar “independente”, embora já tenha garantido um ministro para cuidar dos interesses do partido: Osmar Terra, deputado federal pelo Rio Grande do Sul. E o segundo é o partido da Igreja Universal, cujo fundador e líder espiritual, Edir Macedo, declarou apoio a Bolsonaro no segundo turno da eleição. Seja como for, será engraçado ver o MDB fora do governo após mais de três décadas de poder, incluindo a presidência do Senado e às vezes da Câmara. Será o primeiro grande teste para um partido que deixou se de ser oposição há 43 anos.

Se entrarem, eu saio!

FHC foi curto e grosso em sua entrevista às páginas amarelas da revista “Veja” desta semana: “Se o PSDB virar uma sublegenda do governo, tô fora!”. O encontro da bancada federal do partido com Bolsonaro está marcado para amanhã às 16h30 no escritório de transição, em Brasília. Apesar do alerta do ex-presidente, o deputado Bruno Araújo (PE) já é governista.

Novo líder – A única coisa sensata na resolução do PT, aprovada sábado, sobre as causas da derrota do partido para Bolsonaro é o reconhecimento de que Haddad, a partir de agora, passa a ser o grande líder nacional da legenda após ter obtido 47 milhões de votos nas últimas eleições.

O dilema – Lula tem seguidores fanáticos dentro PT como o senador Humberto Costa (PE) e a deputada eleita Gleisi Hoffmann (PR). Esses vão demorar a reconhecer a liderança de Haddad e apostar, enquanto for possível, na campanha “Lula livre” que não tem mais apelo popular.

O risco – O que mais se vê hoje nas câmaras municipais do interior é aliança de vereadores da oposição com o governo, e vice-versa, deixando prefeitos com as mãos na cabeça. Muitos prefeitos vão perder a maioria que têm nessas casas porque não têm como segurar os aliados.

Tá certo – A garantia de que Paulo Câmara vai pagar o 13% salário dos servidores públicos estaduais “rigorosamente em dia” foi dada ontem por André Campos, secretário-adjunto da Casa Civil. Ele diz que o dinheiro está guardado e irá para o bolso do servidor, oportunamente.

Haja grana – Nenhum prefeito de Pernambuco, de 2017 para cá, arrancou mais verbas federais para o seu município do que Miguel Coelho (DEM), de Petrolina, graças ao pai, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), que soube tirar proveito de sua aliança com Michel Temer.

Veja o blog do Inaldo Sampaio aqui 

Share

Fogo Cruzado – Por Inaldo Sampaio

PT reuniu sua executiva para avaliar o resultado do pleito e culpou os poderosos por sua derrota

O Brasil nunca teve tradição de eleições ideológicas, salvo talvez na de Jânio contra o marechal Lott em 1960. Ali ficou claro direita de um lado e esquerda do outro. De lá para cá, isso não mais. Não foi ideológica a campanha de Collor contra Lula em 1989, tampouco as de FHC contra o PT em 1994 e 1998, nem as de Lula e Dilma contra o PSDB nas quatro eleições seguintes. Não se discutiu projeto de país nessas eleições, mas apenas projeto de poder. E foi o que funcionou. Nesta de 2018 foi diferente. O candidato Bolsonaro se apresentou desde a primeira hora como candidato conservador, defensor do governo militar de 64 e representante das forças de direita, que nas eleições anteriores não tiveram coragem de mostrar a cara. Ganhou espetacularmente a eleição com 57 milhões de votos, surpreendendo a um só tempo os seus apoiados e as esquerdas da qual se vingou. O PT, principal partido de esquerda do país, reuniu-se em Brasília nos últimos dois dias para avaliar o resultado do pleito. Discutiu à exaustão o sexo dos anjos, debitou a derrota de Fernando Haddad aos “poderosos” e disse que Bolsonaro representará no governo o que há de mais “atrasado” no país. Ora, se a maioria dos eleitores optou por esse caminho, que se há fazer? Fosse mais pragmático, mais inteligente e mais humilde, o PT diria simplesmente o seguinte: “Perdemos a eleição porque tivemos menos votos do que o nosso adversário, mas vamos trabalhar para tentar ganhar na próxima”.

Marca da inoperância

Pegou mal para o Dnocs, que tem escritório no Recife e sua direção geral no Ceará, o relatório do TCU apontando-o como um dos “órgãos mais vulneráveis” à corrupção. Para quem tem 109 anos de existência, foi um vexame e tanto. Aliás, os serviços que o Dnocs presta a Pernambuco são modestos. Há mais de 10 anos iniciou uma barragem em Ingazeira, e ainda não a concluiu.

Quebrou como? – Há menos de três meses, o Estado de Pernambuco foi apresentado na Folha de São Paulo como um dos cinco mais equilibrados do país sob ponto de vista fiscal. Agora, aparece noutra lista de cinco que não iriam pagar o 13% em dia. Será que quebrou em 90 dias?

Raposa do Sol – Ao contrário do que dizem seus adversários, nem tudo que Bolsonaro diz tem a marca da insensatez. A promessa de não demarcar mais terras indígenas, como se fez em Roraima, por exemplo, onde os índios se tornaram donos de 70% das terras do Estado, é sensata.

Guerra 1 – Para atrair investimentos para Pernambuco, nossos últimos governadores entraram pesado na “guerra fiscal”, oferecendo todo tipo de incentivo aos investidores. Soube-se agora, porém, através do TCU, que ninguém sabe ao certo o “custo-benefício” desses incentivos.

Guerra 2 – Apenas em 2017, rolaram país afora cerca de 350 bilhões de incentivos fiscais. Pernambuco entrou nessa “guerra” para atrair a Fiat/Jeep e outros investimentos. Elevou seu PIB e diminuiu sua taxa de desemprego, mas, em compensação, receita de ICMS não existe.

Sai pra lá – A partir de amanhã, o futuro ministro Onyz Lorenzoni (Casa Civil) vai levar as bancadas dos partidos na Câmara Federal para um encontro com Bolsonaro. Se for chamado, o PSB já disse que irá. Quem não quer ver o presidente eleito nem pintado de ouro é o PCdoB, o PT e o PSOL.

Visite o blog do Inaldo Sampaio aqui 

Share

COLUNA FOGO CRUZADO – POR INALDO SAMPAIO

Prefeitos penam para não descumprir a Lei Fiscal

Levantamento feito pelo TCE constatou que a maioria das prefeituras de Pernambuco está descumprindo a Lei de Responsabilidade Fiscal no tocante a gastos com a folha. Elas podem gastar até 54% de sua receita corrente líquida com pessoal, mas não conseguem se manter dentro deste percentual. Uns por incapacidade de gestão e outros pelo desejo de entupir a máquina pública com afilhados políticos deles e também de seus vereadores. De acordo com o TCE, 108 dos 184 municípios não estão cumprindo a LRF (59%), 19 a cumprem literalmente e o restante está no limite prudencial. Em relação a 2017, são 31 novos municípios na lista dos que não estão cumprindo a Lei. Surpreendentemente, o município mais desenquadrado do Estado é Nazaré da Mata, um dos mais antigos de Pernambuco, que está gastando 83% de sua RCL com o pagamento dos seus servidores, sendo que outros seis estão acima dos 70%: Brejo da Madre de Deus, Camaragibe, Lagoa de Itaenga, Lagoa do Carro, Ribeirão e Santa Maria da Boa Vista. Qual a solução para este problema, continuar cobrando o cumprimento da Lei, que veio para pôr ordem nas contas públicas, ou flexibilizá-la nos termos ora em discussão no Congresso Nacional? Claro que é o cumprimento da Lei, dado já ser um absurdo que uma prefeitura gaste mais de 50% de sua receita só para o pagamento de seus servidores.

O do Juazeiro vai junto

O governo federal publicou ontem o edital do leilão para a concessão de 12 aeroportos, entre eles o do Recife (Internacional dos Guararapes). Agora, quem ficar com o da capital pernambucana tem que levar também outros cinco, entre eles o de Juazeiro do Norte (CE), terra do padre Cícero Romão Batista, que é altamente deficitário.

A transição – Já se sabia que o empresário Gilson Neto, que se autodefine como um dos representantes da “direita pernambucana”, estava na equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro. Mas somente ontem é que se soube que ele indicou também para fazer parte dela um publicitário e um ex-deputado pernambucano.

É política – Garante o presidente da Compesa, Roberto Tavares, que Petrolina é o 12º município do Brasil com cobertura de água e esgotamento sanitário. Ainda assim, quer tirar a Compesa do município para entregar esses serviços a uma empresa privada.

O convidado – Temer levou para a Argentina, para a reunião do G-20, alguns deputados do MDB, entre eles Tarcísio Derondi (RS) que não foi reeleito, amigo do vice-governador Raul Henry.

A bagagem – Todos os militares que Bolsonaro convidou para o seu ministério têm currículo profissional impecável. Resta agora torcer para que acertem o passo, dado que não fácil o relacionamento com um Congresso onde 30 partidos estarão representados.

A sucessão – O PT já está à procura de um presidente para substituir Gleisi Hoffman, eleita deputada federal pelo Paraná. Ele foi indicação de Lula mas não deve sair por causa disto, e sim por ser despreparada. A bola da vez é o senador eleito Jaques Wagner (BA).

O líder – Isaltino Nascimento deve continuar na liderança do governo na Assembleia Legislativa, mas o partido procura também um “espaço nobre” para Aluísio Lessa, que é um dos melhores deputados da bancada. Quem sabe, um lugar na mesa diretora.

E as provas? – Rodrigo Janot acusa o “quadrilhão do PT” de ter embolsado dos cofres púbicos R$ 1,4 bilhão. Evidente que isso não é verdade, pois, se for, será a completa desmoralização dos órgãos de controle (Banco Central, Coaf, etc.). Esse dinheiro foi pra onde?

Mão estendida – Tadeu Alencar, líder do PSB na Câmara Federal, já avisou que não fará “oposição pela oposição” ao governo Bolsonaro como querem o PT e o PCdoB. Quer o entendimento pelo bem do país, cada qual mantendo os seus pontos de vista.

Share

Falta de chuva na Barragem de Jucazinho provoca alteração de calendário em cidades do Agreste

Bezerros e Gravatá deixaram de receber água do manancial pouco antes do seu colapso em 2016.

Em decorrência da ausência de chuvas nos municípios que compõem a Bacia do Rio Capibaribe e que influencia no volume da Barragem de Jucazinho, em Surubim, a Compesa irá implantar, a partir de amanhã (1),  um novo calendário de abastecimento para oito cidades atendidas por esse manancial. Como  o reservatório está com apenas  3% da sua capacidade, que corresponde a 12,7 milhões de metros cúbicos de água, não há mais condições de assistir os municípios do Tramo Norte de Jucazinho  pelo calendário vigente.

O novo calendário irá vigorar para os municípios de Casinhas, Frei Miguelinho, Salgadinho, Santa Maria do Cambucá, Surubim, Toritama, Vertentes e Vertente do Lério. A partir de amanhã,  o regime de abastecimento será de 10 dias com água e 15 dias sem. O atual calendário atendia à população desses municípios por um período de dez dias com água e  um intervalo de cinco dias sem abastecimento.

A medida, segundo o gerente de Unidade de Negócios da Compesa, Bruno Adelino, é uma medida preventiva para evitar  que a barragem entre em colapso. “Iremos administrar o  volume de água destinado a essas cidades  para que não haja a interrupção da distribuição de água nas torneiras até o período de inverno da região, que se inicia em abril”, afirmou o gerente.  A Barragem de Jucazinho  passou um ano e sete meses em colapso. Em junho deste ano, após a ocorrência de chuvas, a Compesa conseguiu retomar a operação do Sistema Jucazinho, voltando a abastecer as cidades, que estavam em colapso, pela rede de distribuição.

Share

Fogo Cruzado – por Inaldo Sampaio

Bancadas ruralistas, da saúde e do turismo emplacaram ministros no governo Bolsonaro

Bolsonaro prometeu na campanha que reduziria de 29 para 15 o número de ministros e que não negociaria a indicação deles para o seu governo com base em fisiologismo. Só para refrescar a memória dos leitores, os partidos que derrubaram Dilma no impeachment de 2016, para substituí-la por Michel Temer, ocuparam as pastas rapidamente. E só a Pernambuco couberam quatro: Educação (Mendonça Filho), Cidades (Bruno Araújo), Minas e Energia (Fernando Filho) e Defesa Social (Raul Jungmann). Bolsonaro deseja sepultar esse tipo de prática para instalar no Brasil governo novo e totalmente livre desse tipo de amarras. Antes, o ministro era do presidente mas batia continência para o partido que o indicara. O presidente eleito quer fazer diferente, mesmo ser ter a força necessária para abolir o grau de influência política do Congresso nas indicações. Por exemplo: ele pediu à bancada ruralista que indicassem alguém para a Agricultura e daí surgiu a deputada Teresa Cristina (DEM-MS). A bancada da saúde indicou o deputado Luiz Fernando Mandetta (DEM-MS), a do turismo o deputado Marcelo Álvaro (PSL-MG), e por aí vai. Da cabeça do presidente saíram até agora Onyz Lorenzoni (Casa Civil), Sérgio Moro (Justiça), Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), general Heleno (Segurança Institucional), general Azevedo e Silva (Defesa), Gustavo Bebianno (Secretaria Geral) e Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura). Vamos ver no que isso vai dar.

Todos em Brasília

Em seu 1º governo, Paulo Câmara convidou 4 deputados federais para secretários a fim de abrir vagas para suplentes: Danilo Cabral, André de Paula, Sebastião Oliveira e Felipe Carreras. Todos foram reeleitos e desejam permanecer na Câmara. Os suplentes beneficiados foram Augusto Coutinho (SD), Cadoca (PCdoB), Raul Jungmann (PPS) e Fernando Monteiro (PP).

À luta – Diante da insegurança de Luciano Bivar (PSL-PE), que não decidiu ainda se deve disputar ou não a presidência da Câmara Federal, surgiu outro concorrente na bancada do PSL: Júnior Bozella (SP), deputado de primeiro mandato eleito com apenas 78.712 votos (54º lugar).

Menos mal – Bolsonaro parece ter ouvido o grito do Nordeste e decidiu criar um Ministério que pode ser importante para a região: Desenvolvimento Regional (fundindo Integração Nacional e cidades). O ministro é bom (Gustavo Canuto) e conhece todos os pleitos hídricos da Compesa.

A trombada – A missão do ministro Tarcísio Vieira, segundo ele próprio, será “destravar” concessões de portos, aeroportos, rodovias e ferrovias. Pernambuco reivindica a autonomia do Porto de Suape e não concorda com o modelo de concessão do Aeroporto dos Guararapes.

Ao lixo – Assim que essa história de “Escola sem partido” chegou ao Maranhão, o governador reeleito Flávio Dino (PCdoB) editou um decreto proibindo proibir que professores façam uso de salas de aula para trocar opiniões com seus alunos sobre as grandes questões nacionais.

A decana – Luíza Erundina (PSOL-SP), que hoje completa 84 anos, marcou presença na inauguração da galeria dos ex-líderes da bancada do PSB na Câmara Federal. 27 deputados passaram por lá nos últimos 30 anos, entre eles Ana Arraes, Eduardo Campos e Tadeu Alencar.

Visite o blog do Inaldo Sampaio

Share