“Não fiz capital nem vou fazer, virei vereador mas não corrupto”, diz presidente do PT

20150725072236
A assessoria do vereador Eugênio enviou material através de email

Chegamos a quinta entrevista da série que evidencia figuras da política de Bezerros, objetivando jogar holofotes sobre possíveis cenários para 2016. O entrevistado deste sábado é o presidente do PT de Bezerros, o vereador EUGÊNIO SEVERINO BARBOSA, o popular Eugênio do PT. Na pauta, perguntas sobre a crise  política que o PT enfrenta no país, além do cenário político local. Eugênio marca posições com certa discrição, demonstrando não seguir o palanque governista no próximo ano. Tudo isso você acompanha neste sábado (25). Clique nos links a seguir para acompanhar a série de entrevistas com, Mikhail Gorbachiov (presidente do PCdoB),  Marcone Borba (Ex-prefeito)Josevânio Miranda (Ex-secretário de Infraestrutura e Nivaldo Santino (presidente do PSB e presidente da Câmara . Leia e tenha a sua própria visão do quadro que se desenha para 2016. Seja você mesmo um formador de opinião.

1-BEZERROSHOJE – Certa vez, numa conversa informal, você nos contou a sua história de como veio a Bezerros. Teria chegado ao município graças aos movimentos sociais que teria participado. Confere?

Sou natural de Passira  e desde cedo ingressei nos movimentos sociais de base, naquela época participei da (PJMP) pastoral da juventude do meio popular e também dos movimentos sindicais dentre eles o (CENTRUR) Centro de Educação e Cultura do Trabalhador Rural. Eu vim a Sapucarana através do Centro Nordestino de Medicina Popular dirigido pelo Dr. Selerino Carriconde no ano de 1989. Desde então me estabeleci em Sapucarana onde conheci minha esposa com quem tive três filhas.

2-BEZERROSHOJE – O que levou a comunidade de Sapucarana elegê-lo como o mais votado nas eleições de 2012? Seu mandato tem correspondido as expectativas?

A nossa trajetória de luta vem desde a primeira eleição no ano de 1988 ainda na cidade de Passira, onde obtive 20 votos. Mesmo com esse resultado continuei na militância. No ano de 2004 ajudei a refundar o PT em Bezerros e fui novamente candidato a vereador, quando obtive cerca de 220 votos. Continuei na luta e em 2008 disputei novamente e tive 312 votos. A nossa luta só logrou êxito eleitoral no ano de 2012 quando obtivemos 893 votos. Acho que minha militância histórica em defesa do agricultor do distrito de Sapucarana explica a nossa vitória. Já em relação ao meu mandato, tenho defendido os interesses do povo e lutei e luto para cumprir todos os meus compromissos de campanha.

3- BEZERROSHOJE – Junto às lideranças estaduais você tem defendido projetos importantes para Sapucarana. Vez por outras se noticia verbas para a pavimentação da estrada, mas nada disso se concretizou. Qual é a verdade e a realidade dessas intenções?

Por duas vezes o ex deputado federal Pedro Eugênio (falecido) colocou para o distrito de Sapucarana emendas parlamentares que seriam destinadas para pavimentação da estrada vicinal que corta o distrito, um antigo sonho da comunidade.  A primeira vez ainda no final do governo Marcone. A verba se estendeu até o governo da ex prefeita que não teve interesse, daí  voltou. A segunda, eu já eleito, foi quando Pedro Eugênio colocou uma nova emenda desta vez no valor de cerca de um milhão e meio de reais. Acontece que houve questões técnicas, pois o Ministério das Cidades, onde o dinheiro estava locado, não trabalha com estradas vicinais. Os recursos estavam à disposição da prefeitura para ela utilizar na comunidade de Sapucarana com calçamento e saneamento que é o maior problema da comunidade. Infelizmente não tenho notícias boas em relação aos prazos que o município deveria cumprir.

4- BEZERROHOJE – Como está o seu relacionamento político com o governo Branquinho (PSB). Nota-se certo distanciamento político. Comente:

É notório que nossas posições políticas são bem diferentes, enquanto continuei apoiando meu projeto político e votei em Dilma o prefeito Branquinho votou em Marina e depois em Aécio e é claro que o prefeito também abraçou um projeto diferente que combatemos na campanha passada na comunidade de Sapucarana.

5- BEZERROHOJE –  Você tem levantado à defesa do governo federal, o governo do PT, nessa enxurrada de denúncias que levaram a presidente ao nível mais baixo de aprovação, superando inclusive o ex-presidente FHC. O governo do PT não errou em alguma coisa? É possível uma análise crítica?

Eu acho que fazemos um governo de inclusão. Acho também que faltou uma melhor divulgação dessas conquistas.  E daí elevar o nível de conscientização e politização da comunidade, que eram bandeiras históricas do partido. Quanto as denúncias, há duas formas de vê-las: Eu não posso concordar que todas são verdades, mas não posso negar que não houve ingerências. Mas há também um interesse de setores da grande mídia de distorcer os fatos.

6- BEZERROSHOJE – O ex-prefeito Marcone é filiado ao PT, mas pediu licenciamento do partido por seguir o ex-governador Paulo Câmara (PSB). Hoje, o ex-prefeito está em campanha para prevalecer o nome do filho, o vice-prefeito Breno (PSB), como candidato em 2016. Em entrevista, Marcone revela que não descarta totalmente uma possibilidade de ele vir a ser candidato a prefeito. Há disponibilidade do partido no município para avalizar uma possível candidatura dele?

Acho que não. Pois o partido dos Trabalhadores precisa voltar as suas origens e defender os companheiros que defenderam as bandeiras do partido de forma coerente. É notório que o ex prefeito é uma grande liderança, mais que não representa nosso projeto.

7- BEZERROS HOJE – O partido tem projeto para 2016 em Bezerros? Pode adiantar algo de concreto.

Á uma discussão real no partido para a construção de uma candidatura própria em 2016. Mais estamos dispostos a ouvir os demais projetos existentes na cidade.

8-BEZERROSHOJE – Não são raras as citações de populares da comunidade de Sapucarana exaltando a emancipação do distrito. Qual sua visão sobre isso?

Do ponto de vista de atendimento as necessidades da população não tenho dúvidas de que seria melhor. Logo sou favorável, mas sabemos que não nos enquadramos ainda nos requisitos básicos que existe para que se torne cidade.

9-BEZERROSHOJE- Suas considerações finais…

Quero dizer a sociedade que sempre desejei esse momento para discutir a política de fato. Sempre fiz política, mas hoje ( como estou de fato nela) me sinto à vontade de expor ainda mais minhas idéias sem medo de contrariar quem quer que seja. Sempre digo na Câmara que não estou lá para me perpetuar. Não fiz capital nem vou fazer, virei vereador mas não corrupto.

Share

Deixe uma resposta