Turismo estuda auxílio para os artistas

A Diretoria de Imprensa da prefeitura de Bezerros informou à redação, através do grupo de imprensa no whatsapp, que há uma discussão em curso na Secretaria de Turismo objetivando providenciar auxílio emergencial aos artistas de Bezerros.

“@⁨Redação BH⁩, em relação a essa questão dos artistas, a Secretaria de Turismo está discutindo sobre o assunto. Brevemente atualizaremos vocês”.

A informação deve encher de esperança a classe artística da cidade desassistida até então. Vamos acompanhar.

Share

Cresce mobilização para auxílio aos artistas

Sem apoio, setor artístico de Bezerros começa a se mobilizar para pressionar governo Lucielle no sentido de promover auxílio financeiro. Em reunião na Câmara de Vereadores, artistas lançaram esta semana a campanha #SOSartistasdeBezerros. O site Bezerros Hoje já vem apresentando matérias com exemplos de medidas a favor da classe em municípios pernambucanos. A redação solicitou do departamento de Imprensa posicionamento sobre perspectivas nesse sentido, mas não obteve resposta.


Abaixo, apelo que chega à redação:

Os artistas bezerrense precisam mais uma vez do apoio deste conceituado veiculo de comunicação, já se passaram mais de um ano da paralização das atividades artísticas ( Carnaval e São João) e até o momento a prefeitura de Bezerros não se pronuncia sobre qualquer ajuda para o setor cultural, as lives de auto promoção acontecem com frequência, diga se de passagem, ” NÃO SÃO BARATAS AS TRANSMISSÕES”, agora apoio ao setor é ZERO. 
Aguardamos uma posição do poder público bezerrense.
Desde já agradecemos pelo apoio de sempre.

Share

Artistas de Bezerros continuam desassistidos

Municípios de Camocim de São Félix, Vitória de Santo Antão e Recife são exemplos a ser seguidos pela prefeitura de Bezerros.

Em conversa reservada com a redação, artistas de Bezerros afirmam que a situação só piora para classe mais castigada pela pandemia. A prefeitura de Bezerros, que investiu mais de 30 mil no carnaval 2021, ainda não apresentou qualquer auxílio à classe. “Já tentamos uma mobilização para uma live solidária, mas não rolou, lamentou um artista cantor.

O site já evidenciou ações em municípios do estado, que instituíram auxílio aos artistas locais, e que pode ser tomados como exemplos para a gestão Lucielle Laurentino (DEM).

Em Camocim de São Félix, a 15 km de Bezerros, a prefeitura além de instituir programa de distribuição de cesta básica às famílias carentes, já pagou auxílio aos artistas, incluindo os cantores autônomos. Em Vitória de Santo Antão, a 60 km de Bezerros, o auxílio vai beneficiar 423 pessoas que fazem a alegria do carnaval da cidade. Terão direito ao auxílio, agremiações carnavalescas, músicos, vocalistas, orquestras de frevo, grupos teatrais, grupos de dança, artistas plásticos, barraqueiros, gasoseiros, cordeiros, seguranças, técnicos de som, vendedores autônomos de abadás e kits de blocos e agremiações, vendedores informais de adereços carnavalescos, bombeiros civis, compositores de músicas carnavalescas no Carnaval de 2020. Outro exemplo de sensibilidade com classe vem da capital, onde cerca de 800 agremiações foram contempladas com o auxílio emergencial.

Desassistido: Que foi deixado desamparado: 1 abandonado, exposto, desabrigado, desamparado, desvalido, enjeitado, indefeso, sozinho, desarrimado, desfavorecido, indefenso, desajudado, desauxiliado.

Share

Lei Aldir Blanc: Governo Municipal quer relatório dos artistas como prestação de contas

Recursos foram repassados no governo Breno Borba.

O Diretor de Cultura de Bezerros, Marlom Meirelles, participou, na última terça-feira (27), do programa “Jornalismo 104” pela Rádio 104 FM para esclarecer dúvidas relacionadas ao relatório de prestação de contas da Lei Aldir Blanc, que é um auxílio emergencial, aos artistas e artesãos, em função da pandemia da Covid-19. Segundo Marlom, o município de Bezerros recebeu mais de R$ 400 mil para contemplação dos inscritos no edital.

Na entrevista, Marlom esclareceu que essa não se trata de uma prestação de contas de teor financeiro, mas sim de um relatório sobre o impacto que o repasse causou na cultura do município, reforçando que, de acordo com os editais, os premiados com recursos da lei têm até o dia 30 de abril de 2021 para apresentarem o relatório final, informando quais tipos de ações foram realizadas com os recursos provenientes das premiações. O relatório de prestação de contas é um instrumento para medir os impactos da Lei Aldir Blanc na cidade e, portanto, a entrega é extremamente necessária.

Ao fim da entrevista, além de esclarecer dúvidas dos ouvintes, Marlom também comentou sobre as escutas setoriais realizadas com profissionais bezerrenses que compõem a classe artística da Terra do Papangu. O intuito da ação foi realizar um mapeamento das necessidades dos mais diversos setores culturais do município.

》》PRAZO

Os contemplados pela Lei Aldir Blanc que ainda não concluíram o relatório podem procurar a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, que fica na Rua 15 de Novembro, Nº 32 – Centro, para solicitação de suporte.

Share

Auxílio de Carnaval: Bezerros deveria seguir exemplo de Vitória de Santo Antão

Em Bezerros, a prefeitura investiu em atividades, como live e mídias, que superam 25 mil reais.

Entidades ligadas ao ciclo carnavalesco da Vitória de Santo Antão, que tiveram prejuízos pela ausência da festa por conta da pandemia da Covid-19, já podem acessar o edital que normatiza a concessão do Auxílio Emergencial José Varela. O benefício foi assinado no Sábado de Zé Pereira (13/02) pelo prefeito Paulo Roberto e precisou passar pelos trâmites das comissões do legislativo.

Continue lendo no blog do Magno

Share

Lançamento de livro é adiado em Bezerros

Venho por meio deste comunicar que, infelizmente, estamos adiando o lançamento do livro “Um Viva à Vida!”, tendo em vista o agravamento da COVID-19 e suas restrições país a fora.

Como muitos devem saber, também fui vítima desse vírus que vem dilacerando vidas e desolando famílias ao redor do mundo.

Certamente tudo isso vai passar, e quando passar, poderemos celebrar a vitória dos que conseguiram e conseguirão superar essa enfermidade, mas até lá precisamos manter a guarda e cuidar uns dos outros.

Quando as vacinas começaram a chegar em janeiro, imaginei que por volta do mês de abril já teríamos uma quantidade significativamente boa de vacinados e imunizados da população brasileira, mediante ao excelente desempenho do Brasil nas diversas campanhas de vacinação que tivemos desde o século passado. Entristecidamente, percebemos que não é o que estamos vendo acontecer com o momento que estamos passando, pois muito poucos brasileiros tomaram as duas doses do imunizante.

Informo que, como profissional da saúde que também sou, consegui tomar as duas doses da Coronavac, mas estou naquele grupo que pode desenvolver a doença mesmo estando “imunizado”.

Continuo acreditando que a vacina, juntamente com os protocolos existentes podem evitar a contaminação e continuam sendo ideais no combate ao vírus, depois que todos estiverem vacinados, certamente que estaremos juntos celebrando essa vida e desfrutando da impermanência das coisas.

Termino agradecendo aos amigos e amigas que antecipadamente compraram os ingressos para o lançamento do livro e assim que as coisas estiverem “normalizando” remarcaremos uma nova data para o lançamento de “Um Viva à Vida! Você pode e deve ser feliz”.

Abraço apertado;

Pierre Pessôa

Share

AAB – Associação dos Artesãos de Bezerros é contemplada no Funcultura Geral

A Secretaria de Cultura de Pernambuco (Secult-PE) e a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) anunciaram, no último sábado (20), os resultados finais dos editais Funcultura Geral e Funcultura da Música 2019-2020. Ao todo, 292 projetos foram aprovados (50 para Música e 242 para o edital Geral), somando quase R$ 20 milhões em incentivo para a cadeia cultural do estado.

Dentre as propostas selecionadas está um projeto que irá beneficiar diretamente a AAB – Associação dos Artesãos de Bezerros, o mais antigo coletivo de artistas do artesanato no município, com 23 anos de existência. Ao longo de um ano, a entidade será beneficiada com atividades divididas em quatro módulos complementares: atividades de formação, estruturação de mídia, realização audiovisual e fomento à produção artística.

O projeto foi desenvolvido por Marlom Meirelles, produtor cultural e atual diretor de cultura do município. E não é a primeira vez que esta parceria acontece, pois há cerca de dez anos Meirelles conseguiu recursos para um projeto de revitalização da antiga sede junto à Caixa Econômica Federal. A proposta conta ainda com expertise da produtora Rosinha Assis, o escritor Cícero Belmar e o fotógrafo Heudes Regis.

Ainda no início de 2020 o projeto foi pleiteado, mas o resultado apenas agora foi homologado. A expectativa é que as atividades iniciem no segundo semestre de 2021 e todas as ações escaladas tomam por referência potencializar a capacidade criativa do artesanato bezerrense e a promoção da economia criativa municipal.

Share

SEM CARNAVAL, SEM RENDA

Bezerros, a Terra do Papangu, é reconhecido como o terceiro maior polo carnavalesco de Pernambuco e o maior do interior do estado. Para a grande maioria da população, o carnaval é apenas um momento de lazer, de diversão, de extravasar, mas para os bezerrenses o carnaval é o momento de reencontrar os papangus: os carismáticos mascarados que saem as ruas ou na área rural, desafiando as pessoas a descobrirem sua identidade. E para aquelas pessoas que ajudam a compor a fantasia do papangu, o artesão que faz a máscara, a costureira que fez a cafta (vestimenta tradicional do papangu), a vendedora de adereços que vendeu um par de luvas, a pessoa que vendeu um par de tênis, para o músico que toca na orquestra de frevo, ou canta no palco para alegrar o papangu, ou vende a bebida e a comida para o papangu, o que é o carnaval? O carnaval é geração de emprego e renda.

Mas não é só de fornecer o que o papangu precisa que muita gente consegue uma renda extra no carnaval, e digo mais, não é apenas por um período. Para o artesão, que produz máscaras de papangu e artesanatos baseados nas máscaras, o carnaval é tema que gera renda o ano todo. Por esse Brasil á fora, centenas de milhares de pessoas, desde artistas a ambulantes, passando por técnicos de som a catadores de latinhas, dependem da renda gerada no carnaval. É a chamada Cadeia Produtiva Cultural do Ciclo Carnavalesco que neste ano, devido à pandemia causada pelo covid-19, não aconteceu. A ausência da festividade provocou uma ferida terrível, aumentando ainda mais o sofrimento dos menos favorecidos que já passavam privações econômicas, e agora terão que se virar durante o resto do ano sem um dinheiro que era tido como certo, se não fosse à pandemia.

Pouquíssimas cidades estão conseguindo dar, na forma de auxílio emergencial, algum dinheiro para essas pessoas, mas nem de longe contempla a todos os envolvidos ou consegue suprir a necessidade de fato. Tudo isso só revela a precariedade das nossas parcas políticas públicas culturais, que as pessoas da cadeia produtiva cultural não têm um plano ‘B’, geralmente não têm seu negócio ou profissão formalizada e muitos não sabem o que é seguridade social.

E está muito claro que as pessoas da cadeia produtiva cultural não buscarão ter direitos ou serem contemplados por ações do tipo, por que muitos nem sabem que existem essa possibilidade. Por isso, a importância dessas pessoas estarem alinhadas com um grupo, um coletivo ou associação. Participando de uma associação, mesmo que não seja específica da sua classe, mas que ao menos seja sócio-cultural como a AFABE – Associação dos Filhos e Amigos de Bezerros, essa pessoa não se sentirá só, verá que seu problema é o mesmo de muitos outros, porém em união encontrará mais facilmente as soluções para seus problemas.

Porque outras pandemias poderão vir para atrapalhar o carnaval. Como também tempestades, blackouts e etc. Quem tiver mais informação, maiores recursos, mais parcerias, poderá se antecipar as crises e sofrer menos ou não sofrer nada. Essa é uma das vantagens do associativismo. Como diz o ditado: juntos somos mais fortes.

Lunas de Carvalho Costa – Produtor Cultural #AVozdaAFABE #Carnaval #Cultura #Associativismo

Share

DIRETORIA DE CULTURA REALIZA CONSULTAS COM CLASSE ARTÍSTICA DE BEZERROS


A Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Bezerros, através da Diretoria Cultural, dará início, na próxima terça-feira (23), ao cronograma de consultas junto a classe artística do município. A iniciativa tem como objetivo ouvir e mapear as necessidades de cada segmento cultural e, assim, atender solicitações e buscar melhorias para o setor.

As consultas setoriais vão acontecer ao longo de quatro dias deste mês de fevereiro, iniciando na terça-feira (23) com a classe de música e dança. Na quarta-feira (24), será a vez das áreas de fotografia, audiovisual e artes visuais. Na quinta-feira (25), teatro, literatura, artes plásticas, pintura e desenho. Finalizando, na sexta-feira (26), será a vez do artesanato, esculturas, grafite e outras linguagens.

O atendimento acontecerá individualmente, de forma presencial, de segunda a sexta-feira, das 08h às 12h, na sede da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, que fica localizado na Rua 15 de Novembro, Nº 35, Centro. O uso de máscara de proteção e álcool gel é obrigatório no ambiente da secretaria. Outras informações ou esclarecimento de dúvidas podem ser obtidas pelo telefone (81) 3728-6706.

Da Diretoria de Imprensa e Comunicação

Share

TURISMO ANUNCIA VENCEDORES DO CONCURSO DE DECORAÇÃO DE FACHADAS 2021


Residência do bairro do Cruzeiro foi a premiada no concurso ” O Papangu vive aqui”.

A Prefeitura Municipal de Bezerros, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, divulgou o resultado com os vencedores do Concurso de Decoração de Fachadas “O PAPANGU VIVE AQUI”. O concurso foi lançado pelo município com o intuito de manter viva a tradição da cultura carnavalesca do papangu, através da decoração e ornamentação das fachadas das residências da cidade.

O concurso foi lançado no último dia 07 de fevereiro deste ano e teve as inscrições abertas até a sexta-feira de carnaval, no dia 13 de fevereiro. O objetivo foi não deixar passar em branco essa época tão importante para o município e também como uma forma de ajudar os artesãos, artistas e comerciantes locais da cidade. A ideia principal foi fazer com que os moradores decorassem a fachada de suas residências da forma mais original e criativa, utilizando máscaras e bonecos carnavalescos, tecidos, adornos e itens decorativos que remetem ao Carnaval do Papangu.

A comissão julgadora foi composta por seis jurados de diferentes segmentos, tendo critérios específicos para avaliação e votação das melhores ornamentações. Os critérios foram o uso de cores, máscaras de artesãos bezerrenses, materiais recicláveis, tecidos e artigos carnavalescos e o principal de tudo, originalidade. Após somatório da votação, os vencedores anunciados foram: 

PRIMEIRO LUGAR – Jhonata de Oliveira Silva – Avenida Agamenon Magalhães, Nº 183 – Bairro do Cruzeiro. PREMIAÇÃO: Vale-compras no valor de R$ 3 mil em seis parcelas mensais de R$ 500.

SEGUNDO LUGAR – José Marcelo Ventura da Silva – Avenida Professor Amaral, Nº 23 – Bairro São Sebastião. PREMIAÇÃO: Vale-compras no valor de R$ 2 mil em quatro parcelas mensais de R$ 500.

TERCEIRO LUGAR – Maria da Paz Silva Souza – Rua Bezerra Sobrinho, Nº 619 – Bairro Santo Antônio. PREMIAÇÃO: Vale-compras no valor de R$ 1 mil em duas parcelas de R$ 500

Share

Papangus mantém tradição de carnaval em Bezerros

Mesmo com a ausência do carnaval de rua, por conta da Covid-19, os principais personagens do carnaval de Bezerros, agreste de Pernambuco, preservam a tradição. Papangus foram vistos circulando na periferia e nas ruas centrais da cidade neste domingo de carnaval. A cidade esvaziada, que recebia mais de 200 mil pessoas neste dia de folia, lamenta a ausência da festa mais popular do planeta.

A prefeitura de Bezerros montou barreiras sanitarias nos principais acessos por onde desfilava o famoso bloco de carnaval. Uma pequena decoração carnavalesca nas praças da cidade também contribuíram para preservar a imagem do papangu.

Share

Bezerros acorda com decoração de carnaval em praças públicas

Uma equipe da Secretaria de Turismo de Bezerros promoveu decoração de carnaval nas praças da cidade nas últimas 24h. “Infelizmente esse ano não tivemos carnaval, mas nossa pequena equipe com muito carinho madrugou e em três dias fizemos uma surpresa para os foliões não esquecerem que Bezerros é a terra do Papangu! Obrigado a prefeita lucielle, séc. Hugo Pereira, e equipe polivalente pelo esforço”, declarou Robeval Lima, artesão e artista plástico.

Respectivamente, o Ministérios Público e a Prefeitura de Bezerros lançaram esta semana recomendações e decreto quanto as restrições por conta da Covid-19, mesmo assim há expecticas de manifestações individuais dos papangus neste domingo (14) de carnaval. Em 1992, quando o carnaval foi cancelado por conta da cólera, houve numerosa manifestação carnavalesca por parte dos moradores da cidade.

Share

Folha de Pernambuco destaca Bezerros como opção de viagem

A pandemia de Covid-19 tem exigido uma mudança completa no modo de planejar uma viagem. Todos os cuidados -a exemplo do uso de máscara, álcool em gel e distanciamento social- devem ser seguidos em qualquer que seja o destino escolhido. Não é tempo de se descuidar das regras sanitárias, uma vez que são fundamentais no combate ao novo coronavírus. Estamos em uma fase de restrições de viagens internacionais  e os destinos do Bora Pernambucar são opções excelentes para conhecer novos lugares, seguindo os protocolos de segurança. Então, que tal descobrir Pernambuco? Aproveite!

Link da matéria aqui

Share

Exemplo de superação, Cláudio Vieira ministrará palestra em Bezerros

Portador de doença rara e exemplo de superação, Cláudio Vieira ministrará palestra em Bezerros, no lançamento do novo livro de Pierre Pessôa

Cláudio Vieira estará em Bezerros em abril, quando ministrará palestra motivacional no lançamento do novo livro de Pierre Pessôa “Um Viva à Vida! Você pode e deve ser feliz. A equipe de produção informa que serão disponibilizados apenas 90 ingressos para os que pretendem prestigiar presencialmente. Para os que não poderão participar de forma presencial, será formando um grupo fechado no Facebook, onde todo o evento será transmitido ao vivo. Para os que adquirirem o vaucher na modalidade on-line, será enviado gratuitamente os livros pelos Correios. O evento será na Escola Técnica Maria José de Vasconcelos (ETE – Bezerros) no dia 24 de abril, às 20h. Foi informado ainda que todos que comprarem os ingressos, tanto presencial, quanto na modalidade on-line vão ganhar o livro de Pierre no dia do lançamento.

Antes da pandemia do Covid19, Vieira viajava por todo o Brasil, ministrando palestras, onde também divulga seu primeiro livro “O mundo está ao contrário”. Além da palestra no lançamento do livro de Pierre, Cláudio Vieira conhecerá alguns pontos turísticos da nossa cidade, onde conversará com algumas personalidades e lideranças de Bezerros.
Natural de Monte Santo, interior da Bahia, Cláudio é portador da doença identificada como AMC (artrogripose múltipla congênita), que deixa as pernas deformadas, braços inutilizados e a coluna vertebral torcida, o que deixa a cabeça dele voltada para trás. “Geralmente reclamamos da vida e nos chateamos por qualquer coisa, mas quando ouvirmos o testemunho do Cláudio, poderemos refletir que sempre podemos mais”, declarou Pierre Pessôa, organizador do evento.

Espirituoso e alegre, Cláudio Vieira nega que enxergue tudo de cabeça para baixo e garante que todo o seu organismo trabalha normalmente. Para realizar a maioria dos seus movimentos ele usa a boca e seus sapatos especiais, que o auxiliam a caminhar de joelhos. Em maio de 2016, Cláudio lançou o livro que leva o tema de sua palestra. “Não enxergo nada de cabeça para baixo. Eu brinco que o mundo é que está de cabeça para baixo. Enxergo tudo normal. Inclusive, se alguém me der algo para ler, a pessoa vira o objeto de cabeça para baixo e eu desviro. Eu leio normal. É apenas a posição da cabeça”, afirmou Cláudio.

Prestes a completar 43 anos de idade e formado em Contabilidade, Cláudio Vieira venceu as dificuldades e diz que nunca sofreu preconceito. Para ele, o segredo é o apoio familiar, porque sem isso não teria conseguido interagir fora de sua casa. Desde o ano 2000, passou a dar depoimentos em igrejas, a convite de amigos, e tomou gosto por fazer palestras motivacionais. “Venho de uma família humilde, mas estruturada. Ainda pretendo ter uma vida bem melhor através do trabalho e meu sonho é conseguir ter uma vida mais confortável, sem parar no tempo ou ficar limitado”, frisou Cláudio, condenado à morte pelos médicos assim que nasceu.

Share