EX-DIRETOR DA DEFESA CIVIL APONTA FALHA ESTRUTURAL DE PONTE EM BEZERROS

O Professor Audemário Prazeres, que deixou recentemente a ASPLAMA e já respondeu pela Defesa Civil do município, foi a rede social expor séria denúncia sobre falha estrutural em ponte da PE 97, localizada na cidade e que dá acesso a turistas que vão à Serra Negra. Veja relato:

UM PROBLEMA ANTIGO EM UMA PONTE “NOVA”

No ano de 2014, quando estive comandando a Defesa Civil da cidade de Bezerros, fiz notificar de forma preventiva a gestão municipal na época, um risco na estrutura da Ponte Nova ao qual é um dos principais acessos para Serra Negra que foi provocado pelas grandes vazões do rio Ipojuca nos períodos de grandes precipitações. Ciente da responsabilidade ao cargo como Coordenador da Defesa Civil, não só fiz notificar ao poder executivo municipal na ocasião, fiz também protocolar um Ofício datado em 02/12/2014, ao então Diretor Presidente do Departamento de Estradas e Rodagem – DER, Sr. Antônio João Dourado. Inclusive, lembro-me ter anexado algumas imagens mostrando a ruptura da base na “JUNTA” que interliga a referida ponte com a estrada de rodagem em sua extremidade do lado da proximidade da rotatória (giradouro).

Na expressão técnica da Engenharia Civil, o modelo da estrutura da Ponte Nova é do tipo “monobloco”, onde em tese, se mostra resistente ao uso, e às diversas forças físicas por ela sofrida. Bem como, na época da notificação ao DER, a mesma se mostrava a olho nu com suas colunas estruturais na condição “normal” (embora cabe uma análise de um profissional Engenheiro Civil para melhor conclusão). Mas, nesse mês de dezembro em que estamos, completou 5 (cinco) anos do Ofício enviado ao DER, e por conseguinte, a notificação em tempo na gestão municipal da época, e lamentavelmente o problema da ruptura pela força da vazão do rio em tempos cheio continua entre a interligação (“junta”) da estrutura da ponte com a estrada de rodagem. Porém, observamos nas imagens atuais que uma de suas colunas apresenta o começo da exposição de suas ferragens, o que evidencia que gradativamente a falta de manutenção vem aumentando o problema estrutural na Ponte Nova.

Pois bem, o que fazer então ??? – Não resta a menor dúvida que deve ser acionado novamente o DER não só pela Defesa Civil Municipal, mas com o interesse incondicional da vontade da Gestão Municipal. Afinal, o contato fácil que se tem com o Governo do Estado pode definitivamente acionar o DER de maneira mais rápido possível. Essa ponte, como qualquer outra, tem o seu papel fundamental no translado do ir e vir de um lado a outro da cidade, e sempre esse translado se mostra acentuado nos períodos festivos em Serra Negra por possuir o perfil da natureza turística onde o fluxo intenso de veículos é algo notório. Por outro lado, se o Governo do Estado, através do DER continuarem sem fazer nada, cabe a gestão municipal acionar o seu quadro de técnicos para amenizar o problema no restabelecimento da cobertura de argamassa nos pontos da estrutura onde se mostra a exposição das ferragens, e reforçar com um tipo de “arrimo” com pedras e cimento a parte que se mostra em deterioração. Afinal, quem olha por cima a ponte a ver “normal”, mas olhando por baixo nos causa preocupação (vejam as imagens).

Por outro lado, o papel de uma DEFESA CIVIL em uma cidade é de prevenir, e socorrer pessoas em situações relacionadas aos desastres sejam provocados de formas naturais, ou não. Com isto, o seu trabalho de prevenção começa com a identificação das áreas de risco existentes na cidade, ou estruturas edificadas sejam de forma permanente ou não, tendo a mesma uma equipe realmente TÉCNICA, e ATUALIZADA, e com as mínimas CONDIÇÕES operacionais para não só atuar em momentos críticos, como saber identificar de forma PREVENTIVA eventuais situações que podem até culminar em perdas de vidas. Por outro lado, a gestão municipal deve possuir a MATURIDADE em entender, e ao mesmo tempo, VALORIZAR a sua Defesa Civil municipal na qual é garantida na Lei Federal Nº 12.608 em 10 de abril de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDC), onde nela destaca-se as funções das Coordenadorias Municipais de Proteção e Defesa Civil (COMPDEC’s), e que podem requerer recursos (financeiros e/ou materiais) sem a ocorrência das Licitação para de pronto momento poderem enfrentar eventuais desastres.

Todavia, e ao meu ver, uma das principais ações de uma COMPDEC é promover ações EDUCATIVAS como forma preventiva contra acidentes atuando diretamente nas escolas e associações. Inclusive, sou solidário na criação de uma GUARDA MIRIM DA DEFESA CIVIL. Afinal, com a excelente iniciativa do Vereador/Presidente da Câmara, Gabeira Carvalho de se criar um PARLAMENTO JOVEM, que entre outras premissas melhora a percepção da conjuntura politica de uma geração em uma cidade, instituir uma GUARDA MIRIM DA DEFESA CIVIL é muito importante no envolvimento da sociedade em uma conscientização dos cuidados diários que devemos ter seja no lar, ou na escola.

Afinal, forjar e disseminar esses verdadeiros “Agentes do Bem” no fortalecimento da EDUCAÇÃO AMBIENTAL diante os perigos que os lixos nos trazem com sua contaminação, queima até em um fundo de quintal, ou educar os munícipes para depositarem seus lixos nas lixeiras, e não nas vias públicas onde uma boa parte vão depositar nos bueiros entupindo as tubulações de esgoto dificultando o escoamento das águas pluviais, ou enfatizar continuamente para evitarem dispor os lixos nas margens do rio Ipojuca é sim uma forma de uma gestão MADURA com vistas para termos uma de cidade, e munícipes visando o FUTURO.

Share

Os comentários estão desativados.