Fogo Cruzado -Por Inaldo Sampaio

Governadores do Nordeste recusam-se a participar de reunião com Paulo Guedes

Acabamos de sair de uma eleição presidencial sem que os temas que afetam diretamente a vida do povo tenham sido discutidos com a profundidade que se esperava. Perdeu-se muito tempo com a mudança no Estatuto do Desarmamento, a redução da maioridade penal e se a democracia estaria ou não em jogo com a vitória de Jair Bolsonaro. Mas não se teve o cuidado de explicar diaticamente à população a necessidade da reforma previdenciária, da reforma tributária e de um novo acordo federatico que tire os estados e municípios da situação de penúria em que se encontram. Essa crise vai desembocar nas costas do contribuinte, que será chamado a pagar as contas do Rio Grande do Sul, do Rio Grande do Norte, do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, para citar apenas esses quatro que se encontram quebrados do ponto de vista fiscal. Ou alguém admite que a União vai fiscar assistindo, passivamente, três dos quatro mais importantes estados do país ficarem sem ter condições sequer de pagar a folha dos seus servidores? Fala-se que o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, pretende reunir-se em Brasília hoje com todos os 27 governadores para discutir a dívida dos seus estados, que já foi renegociada em 2016 pelo governo Dilma Rousseff. Mas pelo menos os do Nordeste não pretendem comparecer por enxergar caráter “político” no encontro, e não “intitucional-administrativo”. O fato é que vamos começar 2019 com mais da metade dos governadores extrapolando o limite de gastos com a folha de pessoal e sem saber quando e se receberão ajuda para superação desse problema.

A questão do saneamento

Bolsonaro já reconheceu que o atual Congresso não tem legitimidade para aprovar a reforma previdenciária do governo Temer e quer adiar o debate para o seu governo. É o que o atual presidente deveria fazer também com a Medida Provisória do Saneamento, que transfere a gestão desse setor para a iniciativa privada. Só que 22 dos 27 governadores são contra.

Dois Joões – A partir de fevereiro de 2019, haverá dois deputados na Câmara Federal com o mesmo nome: João Campos. Um é do PSB/PE e o outro do PRB/GO. O goiano é um dos preferidos por Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para presidir a Casa no biênio 2019-2020.

Preço alto – Paulo Câmara ainda não avaliou corretamente o desgaste que sofre o seu governo pela decisão de extinguir a DECASP. Todos os órgão de controle, daqui e alhures, criticaram essa medida, que foi aprovada por larga margem pela Assembleia Legislativa.

Da Casa – A partir da Emenda 43 à Constituição de Pernambuco, o cargo de procurador geral do Estado é privativo de um dos membros da carreira. Os dois últimos foram da carreira foram Sílvio Pessoa (governo Jarbas Vasconcelos) e Tadeu Alencar (governo Eduardo Campos).

A promessa – Para honrar o compromisso de pagar o 13º aos beneficiários do Bolsa Família, o Governo do Estado teve que aumentar a alíquota do ICMS de vários produtos da cesta básica. Imagine o que terá de fazer para construir os 4 novos hospitais prometidos desde 2014!

O Congresso – O Recife vai sediar de 12 a 15/11de 2019 o próximo Congresso Eucarístico Nacional. O último que se realizou em Pernambuco foi em 1939, início da II Guerra Mundial que levou à morte 6 milhões de judeus. Último dia 11, completaram-se 100 anos do fim da Primeira.

Visite o blog do Inaldo Sampaio aqui 

Share

Os comentários estão desativados.