Após descanso em Bezerros, Lucinha Mota segue para Gravatá

De Bezerros, Lucinha Mota, mãe de garota assassinada em Petrolina, em 2015, segue caminhando pela BR-232 rumo ao município de Gravatá. O artista plástico Sérgio Bryner informou que toda a equipe foram recepcionados pela Pousada da Serra, onde foi servido um jantar na noite deste Natal. Após o merecido descanso, os integrantes da Caminhada da Justiça seguiram, às 4h deste sábado, pela BR-232. A previsão de chegada em Recife será no dia 28/12, onde haverá concentração de movimentos sociais na Praça do Derby que acompanhará Lucinha até o Palácio do Campo das Princesas, sede do governo de Pernambuco. A pauta, que trata da federalização do caso ou cooperação técnica de investigação, será entregue ao Governo Estadual.

Share

Bezerros prepara recepção à família de Lucinha nesta sexta-feira (24)

Por Justiça, família de menina assassinada caminha de Petrolina a Recife, cerca de 700 KM.

Lucinha Mota, mãe da garota Beatriz de 7 anos, morta em 2015 com 42 facadas dentro de uma escola particular em Petrolina, segue até Recife em um percurso de mais de 700km com o intuito de cobrar resolução do caso Beatriz que repercutiu nacionalmente e ainda não teve seu desfecho judicial.

A mãe reivindica a atenção do governador para a permissão de peritos americanos no caso e/ou a federalização das investigações. A comitiva “caminhe por justiça” chega a Bezerros na sexta feira de Natal, 24 de dezembro.

A concentração para receber a mãe em caminhada no município, acontece na igreja do bairro de Encruzilhada de São João a partir das 05h, um ônibus sairá da praça São Sebastião até o local para levar os que desejem realizar o percurso de chegada juntamente com a comitiva.

Cronograma: Sexta 24/12, ônibus saindo de Bezerros às 05h da manhã para a saída a pé da igreja em Encruzilhada de São João às 06h da manhã pela BR 232.

PH Bezerros

Share

Suspeito escreve carta dizendo que não matou Beatriz

Atualizada às 20:23min

Mãe de Beatriz diz ter certeza da autoria do crime e alega interesse pirotécnico de advogado.

Carta publicada pelo canal W Notícias

O detento Marcelo da Silva, apontado pela Polícia Civil de Pernambuco como o responsável pela morte da garota Beatriz Angélica Mota, escreveu uma carta dizendo que não cometeu o assassinato. Um de seus advogados apresentou o documento com exclusividade no programa Cidade Alerta PE, da TV Guararapes, na noite de hoje.

A mãe de Beatriz, Lucinha Mota, disse, em enrevista, que acredita na autoria do crime, e alerta para possível show pirotécnico por parte do advogado do acusado. Segundo ela, o assassino relatou durante o depoimento detalhes da cena do crime que dão a certeza, independente do exame do DNA, que é a prova técnica.

Beatriz Angélica, 7 anos, foi morta a facadas em 10 de dezembro de 2015 dentro do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina, no Sertão pernambucano. Desde então, o caso segue sem solução. Os pais da menina, Lúcia Mota e Sandro Romilton, pedem a federalização das investigações.

Da redação, com informações do Blog do Magno.

Veja o que publicamos sobre o caso, inclusive a peregrinação da família em caminhada por Justiça de Petrolina a Recife. Em Bezerros, Lucinha teve o apoio da comunidade.

Share

Caso Beatriz: homem confessa assassinato de criança em 2015

A Polícia Científica de Pernambuco conseguiu encontrar o suspeito de ter assassinato a menina Beatriz Angélica Mota, de 7 anos, com 42 facadas em dezembro de 2015, informa a TV Globo, que teve acesso ao laudo. Através da identificação do DNA presente na faca do crime, autoridades chegaram até Marcelo da Silva, de 40 anos, que está preso por outros crimes e confessou ter matado a menina.

Após ser ouvido pelos policiais, Marcelo da Silva foi indiciado pelo crime na terça-feira, 11. Segundo a Secretaria de Defesa Social, providências foram tomadas para garantir sua segurança no presídio. A motivação do assassinato, bem como os outros crimes que Marcelo cumpre na prisão, não foram informados.

O CASO

Beatriz Angélica Mota sumiu durante a formatura de sua irmã, realizada no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina, no dia 10 de dezembro de 2015.

A menina saiu por instantes do local do evento para beber água e nunca mais foi vista.

O corpo da menina foi encontrado em um depósito desativado do colégio com ferimentos por faca em diversas regiões.

Ato

Após seis anos sem respostas sobre o assassinato da filha, os pais de Beatriz realizaram um ato para pedir Justiça. Eles percorrem mais de 700 quilômetros de Petrolina até a capital pernambucana, Recife, para cobrar uma resposta das autoridades.

A caminhada durou 23 dias e teve apoio de moradores pelas cidades pelas quais passaram.

Os pais da menina chegaram a se encontrar com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e também com o secretário de Defesa Social, Humberto Freire, que reconheceu a demora na investigação e pediu a abertura de novos inquéritos sobre o caso.

O que diz a mãe da menina Lucinha

“Peço a Deus que seja ele, que se confirme e tudo acabe. Que esse assassino seja tirado da sociedade, condenado e preso. Mas no inquérito de Beatriz não cabe um inocente, só cabem os culpados. Se foi feito o DNA e deu positivo, outros elementos precisam ser confirmados, principalmente a motivação do crime. Ninguém entra no colégio sem ser conduzido assim não. Comigo não cola”, complementou Lucinha Mota, em tom de desabafo.

Da redação com informações do Portal Terra

Share

Emocionada, mãe da menina Beatriz chega a Bezerros

Em Bezerros, Lucinha Mota, mãe de garota assassinada em Petrolina, em 2015, se emociona e agradece o apoio de populares. “São seis anos de luta por Justiça”, desabafa. A garota Beatriz foi morta a facadas em uma escola privada onde o seu pai dava aula. Lucinha segue em caminhada até a capital, quando concluirá os 700km de percurso. Sua bandeira de luta é para que o Estado permita que peritos americanos emtre no caso e/ou a federalização das investigações. Para ver o vídeo, clique aqui.

Caso Beatriz refere-se ao assassinato da menina Beatriz Angélica Mota, de apenas sete anos, em Petrolina, Pernambuco, no dia 10 de dezembro de 2015. Ela foi encontrada morta, com 42 facadas, durante uma festa de formatura no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora onde estudava e onde seu pai dava aula.

Share

Primeiros 100 km percorridos

Por Justiça: Previsão é que a mãe da garotinha assassinada passe por Bezerros entre 23 e 24/12.

Mãe da garotinha Beatriz Angélica, assassinada brutalmente em dezembro de 2015 durante uma festa de formatura no Colégio Maria Auxiliadora, em Petrolina (onde ela estudava), Lucinha Mota completou os primeiros 100 quilômetros de sua caminhada até o Recife (PE). A mobilização tem o objetivo de sensibilizar o governador Paulo Câmara “por um inquérito justo” para o crime, que completará seis anos nesta sexta-feira (10) sem nenhuma solução (vejam o vídeo da caminhada de Lucinha).

Lucinha vem lutando para que o Estado permita a colaboração de peritos norte-americanos ou a federalização do Caso Beatriz. Até hoje o governador não autorizou nem uma coisa, nem outra. O caso corre sob segredo de justiça.

Blog Carlos Brito

Share

FOGO CRUZADO-POR INALDO SAMPAIO

Paulo Câmara está montando uma equipe que terá mais a cara dele que a de Eduardo Campos

Paulo Câmara tem mais 14 dias para encerrar a montagem do seu segundo governo, que, diferentemente do primeiro, terá mais a sua cara e menos a de Eduardo Campos, que o lançou na vida pública e, mesmo morto, garantiu a sua vitória. O governador terá o apoio de pelo menos 35 dos 49 deputados estaduais que vão do PCdoB ao Partido Progressista, passando pelo PT, PR, PDT, DEM, PRB, Podemos e Solidaridade. Terá portanto a maioria de que precisa para aprovar projetos de lei e emendas à Constituição, que exigem quórum qualificado. O governo estará bem posto do ponto de vista da sustentação, faltando apenas o anúncio das peças para avaliar se ele está mais para o atual governador ou se mantém a alma de Eduardo Campos, que permanece muito presente no PSB, no Palácio do Campo das Princesas e no conjunto de forças que venceu as quatro últimas eleições majoritárias em Pernambuco. Já o presidente eleito Jair Bolsonaro encerrou a montagem do seu ministério na semana passada e agora deve passar para a etapa mais difícil que é a composição do segundo escalão. A exemplo do governador de Pernambuco, ele não terá problema de governabilidade, devendo ser apoiado por cerca de 380 dos 513 deputados federais. Desses, 320 já passaram pelo Centro Cultural do Banco do Brasil, em Brasília, onde funciona o escritório de transição, embora apenas o PR tenha saído de lá declarando-se governista. Exceto o PT, o PSB, o PDT, o PSOL e o PCdoB, todos os outros 25 partidos com representação na Câmara deverão integrar o bloco governista, porém em nome do pragmatismo político vão aguardar algum aceno do presidente eleito no que toca aos cargos do segundo escalão. Se Bolsonaro não radicalizar, todos já se assumirão como governistas no início dos trabalhos do Congresso Nacional,

A prioridade é do goiano

Nas últimas eleições para a Câmara Federal, elegeram-se dois deputados com o nome de João Campos – um em PE pelo PSB e outro em GO pelo PRB. O primeiro é engenheiro e filho do ex-governador Eduardo Campos. O segundo é pastor evangélico, pré-candidato a presidente da Câmara e, por ser mais antigo, já pediu à mesa diretora o direito de usar o nome sem alterações.

Da terra 1 – Que a maioria dos eleitores, nas últimas eleições, não queria votar para deputado, já se sabia há muito tempo. Mas o que houve em Arcoverde passou do limite. Zeca Cavalcanti (PTB), deputado federal da terra, obteve apenas 7.161 votos e Eduíno Brito (PP), estadual da terra, ficou com 3.433. Ambos, bons deputados, não foram reeleitos.

Da terra 2 – Já os eleitores de Petrolina prestigiaram maciçamente os candidatos da terra. Para a Câmara Federal Odacy Amorim (PT) obteve 30.158 votos, Fernando Filho (DEM) 26.177 e Gonzaga Patriota (PSB) 20.126. Para estadual, Antonio Coelho (DEM) obteve 28.251, Dulcicleide Amorim (PT) 14.656, Lucinha Mota (PSOL) 13.110 e Lucas Ramos (PSB) 10.195.

Foco em 2020 – Elias Gomes (PSDB), ex-prefeito do Cabo de Santo Agostinho, vai aprovar a maré negativa do seu adversário, Lula Cabral (PSB), atual prefeito, que está preso, para reconstruir o PSDB no município e no Estado visando às eleições de 2020. Semana passada ele fez palestra para o Consórcio de Municípios do Agreste e da Mata Sul.

Sem consenso – Não é consensual o nome do deputado pernambucano Bruno Araújo para substituir Geraldo Alckmin na presidência nacional do PSDB, mesmo com o apoio do governador eleito João Doria (SP). Velhos tucanos de SP defendem o nome de um paulista, ligado a Serra ou ao próprio Alckmin.

À vitória -Apesar de ter apenas 5 dos 13 vereadores na Câmara Municipal de São José do Egito, o prefeito Evandro Valadares (PSB) conseguiu eleger o presidente – o vereador Rogaciano Leite (PSB). A oposição não se entendeu em torno de um nome, levando o atual presidente Antonio Andrade (PSB) a apoiar o candidato do prefeito.

Leia o blog do Inaldo Sampaio aqui 

Share

FOGO CRUZADO – POR INALDO SAMPAIO

Ex-prefeito de Pelotas é favorito para se eleger governador do Rio Grande do Sul no 2º turno

O PSDB saiu destroçado do primeiro turno dessas eleições tanto no plano nacional como também estadual. Seu candidato a presidente da República, Geraldo Alckmin, teve uma votação pífia para quem foi governador de São Paulo quatro vezes, tinha o apoio de 9 partidos e o maior tempo de TV dentre todos os postulantes. É certo que o partido está no 2º turno em São Paulo, Minas, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Roraima, mas independente de ganhar ou perder já encolheu na Câmara e no Senado. Em Pernambuco, então, o PSDB sofreu a maior derrota de sua história. Elegeu apenas 1 deputado estadual (Alessandra Vieira, de Santa Cruz do Capibaribe) e está sem qualquer perspectiva para as eleições municipais de 2020 no Recife e cidades da área metropolitana. O partido elegeu em 2016 para a prefeitura de Caruaru a então deputada Raquel Lyra, de tradicional família de políticos daquele município, de quem se esperava maior inserção na política pernambucana e nacional. No entanto, ela fez opção pela “não política”. Dedica-se apenas aos seus afazeres na prefeitura e não fala para o restante do Estado como uma liderança política emergente que se esperava que fosse. Além de ter apoiado um pepessista para a Câmara Federal (Daniel Coelho) e uma demista para a Assembleia Legislativa (Priscila Krause), nada disse até agora sobre a derrota dos seus candidatos Geraldo Alckmin, Armando Monteiro, Mendonça Filho e Bruno Araújo. De um líder não se espera o silêncio diante de resultados eleitorais, muito pelo contrário. Por isso era importante que ela também falasse para os pernambucanos sobre a política estadual, pois é assim que se constroem os grandes líderes. Taí o exemplo do ex-prefeito de Pelotas, Eduardo Leite, da mesma geração (36 anos) e do mesmo partido de Raquel. Está com um pé no governo do Rio Grande do Sul.

Miopia política

Quem conhece a política de Minas sabia que o governador Fernando Pimentel (PT) não seria reeleito e que Antonio Anastasia (PSDB) teria dificuldades por ser aliado de Aécio Neves. Era a vez, portanto, de o PSB entrar com Mário Lacerda, que deixou a prefeitura de BH bem avaliado. Mas o PSB rifou-o, em acordo com o PT, e Romeu Zema (Novo) ocupou o espaço e será eleito.

Históricos – Candidata à reeleição, a deputada Laura Gomes (PSB) obteve apenas 15.700 votos, mas deve ser chamada para fazer parte do governo Paulo Câmara. Ela tem crédito no PSB por ser um dos “históricos” do partido ao lado do marido, Jorge, que foi vice de Miguel Arraes.

Tá na cara! – Diz a sabedoria sertaneja que, pela cara, conhece-se o caráter de certas pessoas. Olhe-se para a cara de João Doria (PSDB) e de Márcio França (PSB) e tire as suas conclusões. Ambos disputam o governo de SP, sendo que Doria já foi chamado de “traidor” por Alckmin.

Fará falta – Humberto Costa (PT), senador reeleito, não entra no mérito das acusações que pesam sobre Romero Jucá (MDB-RR), senador não reeleito. Mas reconhece que ele fará falta ao Senado por ser um “bom parlamentar”, dos melhores, talvez, que aquela Casa já conheceu.

A mudança – Diversos deputados estaduais que estavam com dificuldades em seus partidos se abrigaram no PP para ver se escapavam, mas não adiantou. Foram eles Ricardo Costa, João Eudes, Vinicius Labanca e Beto Acyoli. Salvaram-se apenas Antonio Moraes e Joel da Harpa.

Não deu – Lucinha Mota, mãe da garota Beatriz que foi encontrada morta com 42 facadas nas dependências do Colégio Maria Auxiliadora, em Petrolina, em 2015, candidatou-se a deputada estadual pelo PSOL mas só obteve 16.326 votos. Usaria o mandato para continuar procurando o assassino da filha.

Share